Governo concede patente do Sofosbuvir e barra genérico mais barato

sovaldi sofosbuvir hepatite c




 

A empresa farmacêutica norte-americana Gilead obteve decisão favorável relacionada a um pedido de patente do medicamento Sofosbuvir no Brasil. A solicitação foi deferida ontem (18) pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi). O remédio vem revolucionando o tratamento da hepatite C, contribuindo para a cura de muitos pacientes e reduzindo a demanda pelo transplante de fígado.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), através do Instituto Farmanguinhos, anunciou em abril ter firmado parcerias para fabricar uma versão genérica nacional do remédio que seria adotada no Sistema Único de Saúde (SUS). Na ocasião, a expectativa era de que ela estivesse disponível até o final deste ano, ajudando assim a erradicação a hepatite C no país. Porém, com a decisão do Inpi, a Gilead terá exclusividade para a produção do mediamento e monopólio da sua comercialização no Brasil.

Em nota, a Fiocruz afirmou que recebeu com surpresa a notícia do deferimento do pedido de patente e que não houve exposição das justificativas técnicas. A fundação avalia que o pedido não apresenta os requisitos de novidade e atividade inventiva. Também não teria sido apresentada a descrição de invenção de modo que um técnico consiga reproduzir o medicamento reivindicado. Tal descrição é um dos critérios que devem ser observados para a concessão de patente.

 

Repercussão

O Ministério da Saúde informou que, oficialmente, ainda não teve ciência da decisão do Inpi. Pelos cálculos da pasta, o preço de cada tratamento de hepatite C, que dura 84 dias, ficaria em pouco mais de R$ 5 mil usando o medicamento nacional. Comprando o remédio dos laboratórios privados, o custo por paciente já chegou ao patamar de US$ 84 mil.

A organização humanitária Médicos Sem Fronteiras também emitiu nota lamentando a decisão do Inpi e avaliou que ela limita o acesso à cura da hepatite C. Segundo a entidade, há quase 700 mil pessoas com a doença no Brasil e havia argumentos sólidos, baseados no interesse público, para negar a concessão da patente. “Atualmente, a Gilead cobra cerca de US$ 4,2 mil por tratamento contra a doença. Em contraste, nos projetos em 13 países onde trata a doença, a Médicos Sem Fronteiras adquire medicamentos genéricos da mesma qualidade dos remédios de marca ao preço de US$ 120”, registra o texto.

Nos cálculos realizados pela organização humanitária, a adoção da versão nacional do remédio pelo SUS levaria a uma economia superior a R$1 bilhão por ano. Ela defende que o governo federal avance no licenciamento compulsório do Sofosbuvir, permitindo a produção por outras empresas e barateando o remédio.

A Rede Brasileira Pela Integração dos Povos, através do seu Grupo de Trabalho sobre Propriedade Intelectual, anunciou que vai entrar com recursos contra a patente. A rede é composta por diversas organizações, entre elas a Médicos Sem Fronteiras e a Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS (Abia).

“Esse é um medicamento que salva vidas e não deve haver um monopólio sobre ele. Não podemos ficar nas mãos da ganância de uma transnacional que irá fixar altos preços. O Inpe fez uma escolha e colocou em risco um projeto de eliminação da hepatite C no Brasil”, disse Pedro Villardi, coordenador do grupo de trabalho.

Em nota, o Inpi informou que deferiu a patente para uma molécula intermediária para a síntese do Sofosbuvir e afirmou que se baseou nos critérios técnicos previstos na Lei da Propriedade Industrial, assim como em todos os demais exames que realiza. O órgão esclarece ainda que cada país tem independência para atender ou não os pedidos e decisões semelhantes em favor da Gilead ocorreram na África do Sul, Colômbia, Estados Unidos, Índia, Japão e Rússia, e ainda no Escritório Europeu de Patentes.

“A Lei prevê que a invenção, para ser patenteada, deve ter novidade (ser nova no mundo todo), atividade inventiva (não ser óbvia para um técnico no assunto) e aplicação industrial (ser passível de fabricação). O parecer definitivo publicado nesta terça-feira foi elaborado após as manifestações de terceiros (13 no total, incluindo empresas, órgãos de governo e entidades da sociedade civil), dois pareceres do Inpi, contra-argumentações e ajustes do solicitante. O processo seguiu todas as etapas e prazos previstos na Lei”, acrescenta a nota. A Agência Brasil também tentou, sem sucesso, contato com a Gilead.

 

Farmanguinhos divulga nota sobre medicamento contra hepatite C

Vive-se em um cenário, onde a hepatite C é uma epidemia global e responsável pela morte de milhares de pessoas anualmente. Em 2016, a Organização Mundial da Saúde (OMS) propôs um plano, do qual o Brasil é signatário, que objetiva a eliminação da doença como um problema de saúde pública até 2030.

Dentre as ações inseridas no plano, prevê-se a simplificação do diagnóstico e a ampliação da testagem e da oferta de tratamentos, fortalecendo o atendimento às hepatites virais. Segundo o Ministério da Saúde (MS), a meta é tratar 50 mil pacientes por ano até 2024. A partir de 2025, esse número passa a ser de 32 mil novos tratamentos ao ano. Assim, espera-se reduzir em 65% a mortalidade por hepatite C até 2030.

Em junho de 2015, o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) identificou que o medicamento Sofosbuvir foi recomendado no tratamento da hepatite C no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) nº 164, e que teria um impacto orçamentário considerável para o Ministério da Saúde. O medicamento, quando combinado com o Daclatasvir, eleva para mais de 95% a taxa de cura da doença, já em tratamentos antigos as chances eram de 60%, de acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). É importante frisar que é a primeira vez na história da medicina que uma doença viral é curável com o uso de antivirais de ação direta. O Sofosbuvir abriu o caminho para a cura da hepatite C tornando-se assim um símbolo na luta contra a doença.

Por isso, em setembro de 2015, o Instituto integrou-se ao Consórcio BMK, formado também pela farmacêutica nacional Blanver e pela Microbiológica Química e Farmacêutica e Karin Bruning Consultoria, e por intermédio de uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP) estará apto a adquirir a tecnologia, para a produção do genérico no país.

Após a realização de estudos de pré-formulação, desenvolvimento e validação de lotes-piloto, estudo de bioequivalência e de estabilidade, os quais comprovaram a eficácia, qualidade e equivalência do medicamento em comparação ao medicamento referência, em julho de 2018, o genérico foi registrado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com a produção do genérico em Farmanguinhos, o custo do medicamento será de um quarto se comparado ao valor do medicamento de referência, permitindo aumentar o escopo de atuação dos pacientes atendidos. Além disso, o Instituto atua como um regulamentador de preços, pelo fato de apresentar o menor preço do mercado, pressionando, assim, às concorrentes farmacêuticas a baixarem o valor cobrado por comprimido ao Ministério da Saúde. Em tomada de preços, realizada em julho de 2018 pelo MS, o Instituto apresentou o valor de US$ 8,50, por comprimido.

É importante destacar que o genérico apresenta o mesmo princípio ativo, posologia e indicação terapêutica do medicamento de referência, garantidos através dos processos de desenvolvimento e de produção. Isso assegura a intercambialidade dos genéricos, havendo uma segura substituição do medicamento de referência pelo genérico. O grande diferencial do sofosbuvir é o fato de o medicamento ser pangenotípico, sendo usado nos genótipos diferentes da doença e assim, diminuindo a complexidade do diagnóstico e do tratamento.

Ao ser surpreendido pelo pedido de patente, para exclusividade do produto, da empresa norte-americana que produz o medicamento de referência, Gilead Sciences, Farmanguinhos e outras instituições contestaram a concessão de patente do antiviral. Os argumentos utilizados no subsídio compreendem a falta dos requisitos de patenteabilidade, ou seja, novidade, atividade inventiva, aplicação industrial e, além disso, a invenção não foi descrita de forma suficiente no pedido de patente.

Através da utilização dos genéricos, as diretrizes “tratar todos” da OMS seriam contempladas. Seria uma poderosa ferramenta de inclusão, respeito e dignidade. O Instituto acredita que os valores humanitários devem estar acima de qualquer questão comercial.

Fonte: EBC – Farmanguinhos/Fiocruz





Fábio Reis

Fundador do Pfarma.
Possui registro como Jornalista MTB 39014/RJ e Farmacêutico CRF-RJ 14376.




Mercado farmacêutico



Erro: dados bancários não preenchidos até o momento

Uma recente alteração nos sistemas do programa Aqui Tem Farmácia Popular tem ocasionado problemas e impedido a realização de vendas pelo convênio.

A mensagem de erro varia conforme o sistema utilizado para autorizar as vendas, porém o conteúdo da mensagem que é exibida como retorno ao tentar vender remete a atualização dos dados bancários no cadastro do Farmácia Popular. Veja na íntegra umas das mensagens encontradas:

“Identificamos que os dados bancários do seu estabelecimento não foram preenchidos até o momento. Favor atualizá-los o mais breve possível acessando o cadastro da Farmácia no Menu DADOS CADASTRAIS.”

Outra mensagem, no caso, “O sistema apresentou um problema interno, tente novamente.” também é exibida dentro do portal de produção do programa. Cada sistema poderá exibir o aviso de uma forma diferente, alguns na íntegra conforme publicado acima, outros em partes incompletas.

Conforme orienta o aviso, para solucionar a questão, é necessário acessar o portal do Farmácia Popular e realizar a atualização dos dados da empresa. Caso encontre dificuldades para a correção do problema, estamos a disposição para auxiliar: envie uma mensagem agora, deixe seu telefone para receber nosso contato ou ligue para (48) 3733-7690.


Palavras-chave , , , ,
Farmácia Popular



Lotes do medicamento oncológico Sutent foram falsificados

alerta medicamento

(Texto atualizado em 18/02/2019 às 04:25 pm)

Em resolução publicada nesta segunda-feira (5/3) no Diário Oficial da União (DOU), a Anvisa proibiu 11 lotes falsificados do medicamento oncológico Sutent® na embalagem com 28 cápsulas de 50 mg. São falsificados os lotes 746EE, 747EE, 748EE, 190EE, 045AA, 191EE, 189EE, 985EE, 986EE, 987EE e 749EE.

A denúncia sobre a fraude foi levada à Anvisa pelo fabricante do produto, o Laboratório Pfizer Ltda. Nesta segunda-feira (Hoje?), por meio da Resolução (RE) 512/18, a Anvisa determina que sejam apreendidos e inutilizados os lotes falsificados.

O medicamento oncológico Sutent® (malato de sunitinibe) é comercializado em diferentes dosagens, cápsulas de 12,5 mg, 25 mg ou 50 mg, em embalagens com 28 cápsulas. A fraude detectada pela indústria que detém o registro, a Pfizer, foi produzida contra a apresentação de 50 mg.

O Sutent® (malato de sunitinibe) é indicado para o tratamento de um tipo de câncer gastrintestinal, o tumor estromal gastrintestinal, para câncer metastático de células renais avançado e no tratamento de tumores neuroendócrinos pancreáticos não ressecáveis.

Fonte: Anvisa

Mercado farmacêutico



Convênio Bayer Para Você poderá bloquear farmácias

Comunicado importante do laboratório Bayer sobre o aceite do novo termo de uso e regras do convênio Bayer para Você. Todos os credenciados ao convênio da Bayer deverão aceitar os novos termos, sob risco de serem bloqueados no sistema de vendas e não conseguirem mais realizar nenhuma operação no programa.

Confira na íntegra abaixo: Leia mais ›


Palavras-chave , , ,
Mercado farmacêutico



Ministério Público Federal obtém condenação de farmácia e gerentes por fraudes na prestação de serviços da Farmácia Popular

O MPF obteve vitória na ação de improbidade administrativa ajuizada contra o estabelecimento farmacêutico “Drogaria Vida e Saúde” do Município de Jacutinga/RS e seus proprietários em razão de fraudes praticadas na execução do Programa Farmácia Popular, custeada com recursos oriundos do Governo Federal.

A ação civil foi ajuizada com base em investigação realizada pelo Ministério Público Federal, com auxílio do Serviço de Auditoria do SUS no Rio Grande do Sul (SEAUD/RS), na qual foram identificadas diversas irregularidades no funcionamento do estabelecimento em relação à venda e controle dos medicamentos custeados pelo Programa Federal.

A auditoria realizada pela SEAUD identificou irregularidades na confecção dos cupons fiscais de venda dos medicamentos, nos receituários médicos retidos, no controle do estoque e nos registros de liberação dos medicamentos, resultando em divergências significativas entre os valores transferidos pelo Governo Federal à empresa e o que fora, comprovadamente, comercializado à conta da Farmácia Popular. O trabalho resultou, à época, no desligamento administrativo da empresa do Programa Federal e na obrigação de restituir ao SUS a quantia superior a R$ 190 mil. Leia mais ›


Palavras-chave , , , ,
Farmácia Popular



A ruptura no varejo farma

A ruptura no varejo na visão de quem? - Gestão

(Texto atualizado em 14/02/2019 às 11:09 am)

Em  maio de 2018 ajudei a organizar um workshop para o canal Farma em conjunto com a Febrafar e a professora Teresa Cristina Zanon, denominado “Workshop Trade Marketing Farma Canal Indireto”. A ruptura foi um dos temas mais debatidos por profissionais da indústria e do varejo farmacêutico presentes no evento, pois ela afeta diretamente os resultados de vendas de ambos os setores. Além disso, a falta de produto é frustrante para o shopper, que acaba ficando sem suas marcas prediletas.

Segundo dados da pesquisa contínua realizada pela Neogrid/Nielsen em 10.000 supermercados no Brasil, o índice de ruptura de várias categorias atingiu o patamar de 10,11% em dezembro de 2017. O número é considerado alto e é causado por problemas de eficiência na cadeia estendida entre fabricantes e varejistas. Historicamente, a ruptura já chegou a um nível mais baixo atingindo 8%. O setor supermercadista necessita reduzir a ruptura uma vez que a operação tem margens bem apertadas. Leia mais ›

Mercado farmacêutico



Está disponível a 2ª edição do manual do Sistema de Notificação de Medicamentos

Está disponível a 2ª edição do manual do Sistema de Notificação de Medicamentos

(Texto atualizado em 14/02/2019 às 11:11 am)

Já está disponível para consulta a 2ª edição do manual de uso do Sistema de Notificação de Medicamentos. Esta edição atualizou apenas os procedimentos referentes às alterações realizadas no sistema para medicamentos dinamizados, que englobam medicamentos homeopáticos, antroposóficos e anti-homotóxicos. Confira o manual, disponível no site da Anvisa.

As alterações implantadas estão relacionadas à publicação da RDC 238/2018, resolução que, junto a outras instruções normativas, atualizou o arcabouço de normas para medicamentos dinamizados. O novo conjunto de regras visa o aprimoramento dos requisitos técnicos estabelecidos para a indústria, considerando a evolução dos conhecimentos aplicados a essa classe de medicamentos. Leia mais ›


Palavras-chave ,
ANVISA



Trump promete cortar preços e regulações do setor farmacêutico

farmacoeconomia

(Texto atualizado em 14/02/2019 às 11:12 am)

Segundo Trump, o clima de negócios nos EUA irá mudar em breve, pois, em parte, ele está comprometido a diminuir os impostos sobre o setor e cortar regulações.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu aos líderes do setor farmacêutico que irá cortar impostos para impulsionar a competitividade e que pressionará as empresas a produzirem mais medicamentos dentro do país.

Em reunião na Casa Branca, Trump disse que os programas Medicare e Medicaid estão gastando muito dinheiro com os medicamentos e que, em muitos casos, esses programas federais não tem muito poder de barganha quando estão comprando. Leia mais ›

Mercado farmacêutico, Legislação e regulamentações



Ministério da Saúde tem bloqueado valores e repasses suspeitos

A legislação que regula o programa Farmácia Popular prevê o bloqueio a repasses em caso de suspeitas, e se tornou conhecido que o Ministério da Saúde vem usando este recurso, de  forma a “estancar” as suspeitas de fraudes no programa.

Em muitas situações recentes, os valores devidos estão sendo bloqueados, ocasionando uma média de 3 meses sem acesso ao dinheiro de suas vendas. Este prejuízo acaba dando direito a danos e restituição dos pagamentos. O comportamento mais ativo do MS tem sido notado recentemente, aumentando sua frequência desde agosto de 2018, e continuando intenso no ano de 2019.

No ato da suspensão preventiva, o DAF/MS – Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos da Secretaria de Ciência Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde – suspende preventivamente os pagamentos e a conexão com o sistema autorizador de vendas do estabelecimento  com o objetivo de averiguar os fatos suspeitos. Leia mais ›


Palavras-chave , , ,
Farmácia Popular



18/10: Dia do Médico

18/10: Dia do Médico - IBES

Nesta quinta-feira, 18 de outubro, comemora-se o Dia do Médico, determinada em homenagem ao Dia de São Lucas, considerado o santo padroeiro da Medicina. Esse marco foi estabelecido para reconhecer a importância do papel destes profissionais no sistema de saúde, assim como a contribuição para a sociedade e comunidade. Leia mais ›

Mercado farmacêutico



Dados financeiros do FP serão gerenciados pelo M.S.

Os tramites relacionados aos dados da conta para recebimento dos repasses do Ministério da Saúde no Farmácia Popular tem demonstrado comportamento diferente: O órgão tem solicitado cadastro e atualização dos dados financeiros das farmácias participantes do programa, orientando o envio de todas as informações bancárias da empresa e responsável legal e técnico, por formulário eletrônico e correios.

O que se percebe é que existe um movimento de transmissão de responsabilidade pelos tramites, passando da Caixa, que era a responsável pela gestão da burocracia do convenio Aqui Tem Farmácia Popular, para a equipe interna do programa no Ministério da Saúde em Brasília.

Ainda não é possível definir como se dará transição, se sera gradual ou com uma data prazo final, ou se acontecera em todas as agencias do pais. Tudo pode correr tranquilamente como podem acabar surgindo problemas com atualização de dados financeiros (conta, responsável, banco e agencia) e até impossibilidade de recebimento dos repasse devidos. Em qualquer caso relacionado, conte com os especialistas da M2Farma, saiba como iremos ajudar clicando aqui.

Os principais problemas que podem surgir são atraso no repasse, não pagamento, dificuldade em atualizar dados perda de tempo pela desinformação e burocracia.


Palavras-chave , , , , ,
Farmácia Popular



Suspensos lotes de Deltalab Loção 100ml e Keltrina Plus

suspensos anvisa medicamentos

(Texto atualizado em 04/02/2019 às 10:33 am)

Publicada mais uma suspensao de medicamento e produtos irregulares:

Resolução específica 1023 de 2018:

Acesse o link para visualizar a publicacao de suspensao de medicamento e produto de limpeza pela ANVISA:

http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=25/04/2018&jornal=515&pagina=57&totalArquivos=106

 

Empresa: MULTILAB INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA, CNPJ: 92.265.552/0001-40

Produto: DELTALAB LOÇÃO 100ml; KELTRINA PLUS 5% 60ml
Lote, fabricação e validade: DELTALAB LOÇÃO 100ml, lotes 404874, 404875 e 405762; KELTRINA PLUS 5% 60ml, lotes 403552, 407649 e 407650

Ações de fiscalização:
Suspensão da Distribuição
Recolhimento
Proibição da comercialização
Suspensão do Uso

Observação: suspensão da distribuição, comercialização, uso dos medicamentos e recolhimento do estoque existente.

Motivação: A comunicação de recolhimento voluntário encaminhada pela empresa Multilab Indústria e Comércio de Produtos Farmacêuticos Ltda., em razão de resultados fora de especificação relativos às análises microbiológicas de liberação dos produtos.

Fonte: Anvisa


Palavras-chave , , , ,
Mercado farmacêutico, ANVISA



Denunciadas 8 pessoas envolvidas em fraude no Farmácia Popular

Oito pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público Federal (MPF) em São João da Boa Vista (SP) por fraudes no programa Farmácia Popular do Brasil. Os golpes ocorreram entre 2010 e 2013 e geraram prejuízo de ao menos R$ 142 mil aos cofres públicos.  O Ministério Público de São João da Boa Vista, SP, diz que vendas fraudulentas de medicamentos geraram prejuízo de R$ 142 mil aos cofres públicos de 4 cidades.

O desvio de recursos federais se deu por meio de vendas simuladas de medicamentos em cinco drogarias nos municípios paulistas de Casa Branca, Mogi Mirim, São José do Rio Pardo e São Sebastião da Grama.

Entre os envolvidos estão administradores de drogarias, um responsável técnico farmacêutico e um balconista. Eles foram denunciados por estelionato. A pena para o crime varia de um ano e quatro meses a seis anos e oito meses de reclusão, além de multa. As vendas fraudulentas foram identificadas por amostragem pelo Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde (SUS), por isso os prejuízos podem ser ainda maiores. Leia mais ›


Palavras-chave , ,
Farmácia Popular



NOTIVISA: Sistema de Notificações de Vigilância Sanitária

O que é o Sistema de Notificações de Vigilância Sanitária (NOTIVISA)?

A notificação de incidentes é fundamental para garantir a qualidade e segurança do paciente. Com o intuito de se estabelecer uma base nacional que centralizasse  as notificações de todo o país, criou-se o Sistema de Notificações de Vigilância Sanitária (NOTIVISA).

O NOTIVISA é um sistema de informação complexo, o qual permite às organizações utilizarem uma ferramenta com o passo-a-passo para a notificação e a investigação de causas, bem como permite à ANVISA examinar a incidência de eventos adversos nos serviços de saúde, cuja função pode ser compreendida como:

  • Armazenamento e tratamento das informações geradas pelas notificações (exemplo: verificando os eventos adversos mais comuns ou mais graves, de forma a estabelecer protocolos nacionais de prevenção)
  • Fornecimento de informações (através da publicação de relatórios periódicos para a sociedade)
  • Processamento dos dados (acompanhando de perto casos que merecem uma atenção especial)
  • Análise qualitativa e quantitativa dos dados
  • Envolvimento de todos os agentes participantes no processo.

Leia mais ›


Palavras-chave ,
ANVISA



Panvel passa a oferecer serviço de triagem que dura pouco mais de um minuto

Panvel passa a oferecer serviço de triagem que dura pouco mais de um minuto - Tecnologia

A Panvel passou a oferecer aos seus clientes em São Paulo um novo serviço para triagem. O processo dura um pouco mais de um minuto e mostra seis indicadores. A tecnologia permite a aferição da frequência cardíaca, oximetria de pulso, pressão arterial, hemoglobina, hematócrito e contagem de células vermelhas.

O dispositivo “VSM portátil” é uma tecnologia israelense da Cnoga Medical que funciona por meio de colorimetria, através de sensores de Leds e câmara fotográfica, que captam imagens do interior do dedo. Usando uma combinação de algoritmos, o equipamento transforma cor em números e mostra os resultados em uma tela de medição.

A Panvel é a primeira farmácia do Brasil a disponibilizar a tecnologia aos consumidores. A marca treinou os farmacêuticos em São Paulo para a realização dos testes. O procedimento é indolor e não exige a retirada de sangue.

Na primeira fase do projeto. o VSM está disponível em duas filiais da Panvel Clinic em São Paulo. Cinco filiais em Porto Alegre, duas em Curitiba e uma em Florianópolis também oferecem o rastreamento. O custo para a realização da triagem que contempla os seis parâmetros é de R$ 27,90 em qualquer uma das unidades que oferece o serviço.


Palavras-chave , ,
Mercado farmacêutico



Novo cálculo do ICMS pode reduzir preço de medicamentos no Paraná

icms medicamento parana

(Texto atualizado em 28/01/2019 às 02:58 pm)

O governador Beto Richa assinou nesta terça-feira (20), em Curitiba, o decreto que altera a definição da base de cálculo para cobrança do ICMS no regime da substituição tributária de medicamentos comercializados por fabricantes, distribuidores e varejistas. A Presidente do Conselho Regional de Farmácia do Estado do Paraná – CRF-PR, Dra Mirian Ramos Fiorentin, participou deste importante momento que vai gerar economia ao setor farmacêutico, sobretudo as mias de 3.400 farmácias que são de propriedade de farmacêuticos.

A mudança será feita devido à necessidade de padronização nacional do tratamento tributário dado ao segmento e para atender pedido das empresas que atuam no Estado.
Leia mais ›


Palavras-chave , ,
Mercado farmacêutico



Anvisa Suspende fabricação do medicamento Somalgin Cardio

suspensos anvisa medicamentos

(Texto atualizado em 28/01/2019 às 02:59 pm)

Empresa: EMS SIGMA PHARMA LTDA, CNPJ: 00.923.140/0001-31
Produto: SOMALGIN CARDIO
Lote, fabricação e validade: TODOS

Ações de fiscalização:
Suspensão da Fabricação/Produção

 

Observação: Suspensão da fabricação do medicamento.

Motivação: A confirmação, pela área de registro de medicamentos, de que a formulação atualmente utilizada para o medicamento, comprimidos revestidos, em todas as suas apresentações, não foi aprovada pela Anvisa.

Leia na íntegra: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=04/06/2018&jornal=515&pagina=40&totalArquivos=11

 


Palavras-chave , ,
ANVISA



Linha do Tempo da ANVISA: Drogarias e Farmácias

(Texto atualizado em 14/02/2019 às 11:38 am)

Este será o espaço onde reuniremos informações sobre a legislação da ANVISA, em forma de uma timeline, trazendo em ordem cronológica as publicações, RDCs e portarias da ANVISA relevantes e importantes para o varejo farma.

Linha do tempo do cenário regulatório, ANVISA e CRF no Brasil:

  • 1953
    • Criação do Ministério da Saúde do Brasil (25/07/53)
  • 1960
    • Criação do Conselho Federal de Farmácia e CRFs (Lei  3.820)
  • 1998
    • Portaria 344/98 – Regulamenta as substancias sujeitas a controle especial (12/05/98)
  • 1999
    • Criação da ANVISA ( 26/01/99 )
    • Surgimento dos Genéricos (10/02/99)
  •  2004
    •  Criação do programa Farmácia Popular (13/04/04)

Leia mais ›


Palavras-chave , , , , , , ,
Legislação e regulamentações, ANVISA



Anvisa proíbe remédio para emagrecer vendido pela internet

Anvisa proíbe medicamento para emagrecer vendido pela internet sem registro

(Texto atualizado em 28/01/2019 às 03:00 pm)

Anvisa proíbe remédio para emagrecer vendido pela internet. Vendido pela internet como medicamento auxiliar na perda de peso, o Sibuterol teve fabricação e venda proibidas pelo fato de não ter nenhum registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A reguladora lembra que qualquer produto que diz ter ações terapêuticas é considerado medicamento e precisa de registro para ser fabricado e comercializado. Sem passar por esse processo, não há garantia de eficicácia e qualidade do produto, além de alto risco à saúde.

A Anvisa determinou ainda a apreensão e a inutilização, em todo o território nacional, das unidades do produto disponíveis no mercado.

Divergências qualitativas e quantitativas de formulações e ausência de ingredientes, em desacordo com a fórmula do produto, o que pode afetar sua eficiência foi um dos motivos que levaram a Anvisa a decidir pela suspensão da distribuição, divulgação e comercialização de dez produtos cosméticos fabricados pela Biotec Cosméstivos. A fabricante será obrigada a recolher do mercado os produtos notificados.
Leia mais ›

Mercado farmacêutico



Como Netshoes, Drogasil e Itaú conduzem a transformação digital

Como Netshoes, Drogasil e Itaú conduzem a transformação digital

(Texto atualizado em 28/01/2019 às 03:02 pm)

O Conarec 2018 discutiu, em um de seus painéis, mediado pela editora-chefe do Grupo Padrão e das revistas Consumidor Moderno e NOVAREJO, Gabriella Sandoval, como o cliente tem promovido as mudanças na nova economia em diversos setores, do varejo farmacêutico ao setor financeiro.

O painel “A experiência do cliente deve ser levada em consideração para aperfeiçoar a venda? Cases de produtos e serviços que melhoram com essa interação” contou com representantes da Zendesk, Banco Itaú, Netshoes, Drogasil e Smartfit.

A Zendesk tem como referência o case da Dollar Shave Club, empresa que transformou a experiência do consumidor com um produto aparentemente incapaz de ser melhorado, as lâminas de barbear. “Eles transformaram o consumo de lâminas de barbear em um clube. Algo que parece ser um produto comoditizado ganhou uma nova experiência. A empresa foi vendida para a Unilever por mais de 1 bilhão de dólares”, conta Tatiana Piloto, diretora-geral da Zendesk. Leia mais ›

Mercado farmacêutico



Seja bem-vindo(a) ao blog da M2Farma.

Neste espaço reunimos notícias sobre assuntos regulatórios e o varejo farmacêutico.

Nosso trabalho é facilitar a burocracia técnica, saiba mais.

Siga-nos:

📫 Receba por e-mail

Receba as últimas notícias sobre varejo farmacêutico, ANVISA, Farmácia Popular e Convênios PBM direto no seu e-mail:





📬 Receba as últimas notícias sobre o varejo farmacêutico, Farmácia Popular, ANVISA, convênios PBM e mais: