Anvisa aprova novo medicamento de ação prolongada para esquizofrenia

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Tratamento é o primeiro administrado em apenas quatro aplicações ao ano

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de aprovar um novo medicamento para esquizofrenia, desenvolvido pela Janssen, empresa farmacêutica da família de companhias Johnson & Johnson.

O palmitato de paliperidona trimestral é a primeira injeção de ação prolongada que requer apenas quatro doses ao ano e, por isso, chega ao Brasil como uma opção para aumentar a adesão ao tratamento, prevenindo as recaídas e melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

A esquizofrenia é um transtorno mental que afeta cerca de 23 milhões de pessoas em todo o mundo. A doença é caracterizada por distorções no pensamento, percepção, emoções, linguagem e comportamento. Os sintomas comuns incluem alucinações (ouvir, ver ou sentir coisas que não existem) e delírios (falsas crenças ou suspeitas, mantidas mesmo quando há provas que mostram o contrário).

Estima-se que entre 40% a 71% dos pacientes com esquizofrenia não seguem corretamente o tratamento. A baixa adesão é justamente uma das principais causas para as recaídas que ocorrem em aproximadamente 80% dos pacientes com a doença em cinco anos.

Os novos surtos psicóticos representam uma sobrecarga significativa tanto para pacientes como para suas famílias. Para os pacientes, podem ter repercussões muito graves, como deterioração cognitiva progressiva, comprometimento nas relações interpessoais e redução da qualidade de vida. Além disso, a cada episódio a recuperação pode ser mais lenta e o transtorno pode se tornar mais resistente ao tratamento.

Mais adesão ao tratamento da esquizofrenia

O novo tratamento, que consiste em uma evolução da paliperidona mensal injetável, também fabricado pela Janssen e já disponível no Brasil desde 2011, requer apenas quatro aplicações por ano. Dessa maneira, proporciona maior adesão, evitando recaídas e promovendo um controle sustentado dos sintomas. Nos estudos realizados com o medicamento, mais de 90% dos pacientes que receberam o tratamento injetável no novo esquema posológico não apresentaram recidivas no período de um ano e meio.

O médico e professor do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, Frederico Garcia, ressalta o impacto na qualidade de vida dos portadores da doença. “Um paciente com esquizofrenia toma de três a seis comprimidos ao dia, totalizando até 2.880 comprimidos por ano. Com essa nova opção terapêutica, é preciso lembrar do medicamento somente quatro vezes nesse mesmo período. Ou seja, teremos uma maior adesão, mais liberdade e autonomia para que a pessoa diagnosticada com esquizofrenia possa se dedicar a outras atividades do dia-a-dia, como trabalho ou estudo; e também focar em outros aspectos do seu tratamento.”

Agora, o palmitato de paliperidona trimestral passará por processo de aprovação de preço na Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). O produto está aprovado para o tratamento da esquizofrenia em pacientes adultos que já tenham sido adequadamente tratados com a injeção mensal de palmitato de paliperidona por pelo menos quatro meses.

Fonte: Guia da Farmácia

Qual sua opinião? Deixe seu comentário:


Mercado farmacêutico

Seja bem-vindo(a) ao blog da M2Farma.

Neste espaço reunimos notícias sobre assuntos regulatórios e o varejo farmacêutico.

Nosso trabalho é facilitar a burocracia técnica, saiba mais.

Siga-nos:

📫 Receba por e-mail

Receba as últimas notícias sobre varejo farmacêutico, ANVISA, Farmácia Popular e Convênios PBM direto no seu e-mail:





📬 Receba as últimas notícias sobre o varejo farmacêutico, Farmácia Popular, ANVISA, convênios PBM e mais: