Ações de farmacêutica Moderna disparam após anúncio de vacina contra coronavírus » Panorama Farmacêutico

Após anúncio do início dos testes de uma vacina contra o coronavírus, as ações da farmacêutica norte-americana Moderna dispararam na última terça-feira, 25 de fevereiro, com uma alta de 27%.

De acordo com o Wall Street Journal, a empresa entregou ao National Institute of Allergy and Infectious Deseases um pacote com as vacinas para que eles comecem a fazer testes em humanos, o que deve ter início em abril.

No mundo todo, pesquisadores têm enfrentado uma corrida contra o tempo para descobrir uma vacina eficaz.  Nesta terça, o governo dos Estados Unidos informou que investirá cerca de US$ 1 bilhão em pesquisas de uma vacina para o coronavírus.

Na China, em Hong Kong, pesquisadores afirmaram que já desenvolveram um tipo de vacina, mas que o período de testes em animais deverá levar alguns meses. A nova vacina seria uma modificação da vacina da gripe que se propõe a proteger tanto do coronavírus da China quanto de gripes comuns.

No britânico Imperial College, as primeiras versões de uma vacina contra o coronavírus já têm sido testadas em ratos. Os testes começaram no começo do mês e devem terminar até o fim do ano.

Autoridades de saúde dos EUA disseram também nesta terça-feira que começou um primeiro experimento clínico para testar o medicamento antiviral experimental da Gilead Sciences, o remdesivir, em pacientes hospitalizados com o coronavírus.

O primeiro participante do experimento é um norte-americano que foi repatriado após ter sido colocado em quarentena no navio de cruzeiro Diamond Princess e o estudo está sendo conduzido no Centro Médico da Universidade de Nebraska em Omaha, de acordo com o National Institutes of Health (NIH), agência do governo dos EUA para pesquisa médica.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Leia também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/02/03/vacina-para-coronavirus-pode-sair-em-tempo-recorde/


Palavras-chave , , , , , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, Legislação e regulamentações



CRF/MG reativa o programa Traga de Volta de descarte de medicamentos .

CRF/MG reativa o programa Traga de Volta de descarte de medicamentos .

O Traga de Volta visa promover, em parceria com farmácias, drogarias e outros serviços de saúde, alternativas para que a população descarte corretamente seus medicamentos vencidos ou inutilizados.

O descarte inadequado de resíduos de serviços de saúde, incluindo medicamentos, traz uma série de riscos para o meio ambiente e para a população. Por isso, todos os estabelecimentos de saúde do país devem possuir um programa de gerenciamento de seus resíduos, permitindo o manejo e descarte seguros. Leia mais ›


Palavras-chave , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Atendimento por chat online da ANVISA

O que você prefere, ligar para um número 0800 e navegar pela URA até chegar a um atendente humano, normalmente repetindo informações a cada novo atendimento, ou ter suas solicitações atendidas através de uma conversa de texto utilizando seu celular ou computador?  

A nossa resposta é: depende. Existem situações onde é mais simples explicar os detalhes para outra pessoa do outro lado da linha por telefone. Porém, existem muitos casos onde uma simples troca de mensagens pode resolver a situação. Principalmente pelo conforto de continuar resolvendo outras tarefas em paralelo. 

Mirando nessa comodidade o Chat online da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) está no ar desde Agosto de 2019, podendo ser acessado clicando neste link. Lá é possível receber o mesmo atendimento anteriormente prestado unicamente pelo 0800 642 9782, porém com uma conversa em texto, em formato similar ao de aplicativos como Whatsapp e Facebook Messenger.

Leia mais ›
ANVISA



Insulina inalável Afrezza chega ao Brasil por R$1.900

Insulina inalável da Afrezza

(Texto atualizado em 21/10/2020 às 05:30 pm)

Após ser aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em junho do ano passado, a insulina inalável Afrezza está finalmente chegando às farmácias custando a partir de R$ 1.900. O produto foi analisado pela Câmara da Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), responsável por definir os preços de remédios, e o Brasil é o segundo país a receber o produto.

Existem três versões da nova insulina em pó: uma com dosagem de 8 UI (unidades internacionais) e 90 refis; outra com 12 UI e 90 refis; e uma última com 180 refis, sendo 90 com dosagem de 4 UI e 90 com 8 UI. Cada caixa vem com dois inaladores e a dosagem será definida pelo médico.

O uso do acessório é relativamente simples. O paciente deve encaixar o cartucho com a insulina em pó em um inalador, fechar o dispositivo, de modo que o pó já estará liberado. Por fim, ele inala a substância, que chega rapidamente ao pulmão. Ao ser absorvida pela membrana pulmonar, ela se espalha pela corrente sanguínea. Leia mais ›


Palavras-chave , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, Legislação e regulamentações



A interessante área de atuação do farmacêutico em Citologia Clínica

A interessante área de atuação do farmacêutico em Citologia Clínica

No mês de Outubro temos a honra de entrevistar a Dra. Gilcilene Chaer – Presidente do CRF-DF que irá compartilhar conosco sobre a Citologia Clínica.

Para quem acha que Farmacêutico só atua em farmácias, está muito equivocado.

Atualmente, esse profissional pode atuar em 135 especialidades diferentes e a Citopatologia Clínica ou Citologia Clínica é uma área de atuação desafiadora e extremamente importante para a saúde da população.

Desde 1.931, com o advento do Decreto Lei nº 20.377 o exercício da citopatologia ou da citologia clínica foi reconhecido como atribuição do Farmacêutico, portanto, é certo que historicamente o Farmacêutico realiza, em todos os níveis, a Citopatologia ou a Citologia Clínica.

São muitas legislações que preveem a atuação do Farmacêutico na Citopatologia. Além das leis federais, o Conselho Federal de Farmácia regulamenta a atuação por meio de resoluções e, por fim, a questão foi pacificada pelo STF.

Para atuar nesta área, o profissional precisa ter especialização devidamente autorizada pelo MEC e apostilada no Conselho Regional de Farmácia da região.

Em pleno outubro rosa, onde se discute a prevenção do câncer de mama, falar da atuação do Farmacêutico no diagnóstico desse câncer é de grande relevância para despertar o interesse dos farmacêuticos para nesta área e mostrar à população esse importante papel.

O Farmacêutico Citologista participa do início do diagnóstico, quando se suspeita de um tipo de tumor e a punção é o passo inicial.

Quem realiza a análise do material oriundo de uma punção de algum tumor é o Citopatologista, mas é na Citopatologia do colo uterino que este profissional se destaca.

No Brasil, ainda temos uma previsão de aproximadamente 16.710 casos de câncer de colo uterino em 2020, com um risco estimado de 15,38 casos a cada 100 mil mulheres, com esses números é imperativo que esta área de atuação seja valorizada e incentivada.

Analisando a história natural do câncer de colo uterino, evidencia-se uma ampla janela entre a infecção por HPV e o surgimento de um câncer invasor que pode chegar até a 15 anos, o que propicia o diagnóstico precoce e o efetivo tratamento.

O Citopatologista realiza a análise do material colhido na prevenção (raspado de material do colo uterino) e emite o laudo que direciona para o melhor tratamento. Além de evidenciar lesões malignas e pré-malignas, pode-se evidenciar infecção por diversos agentes microbiológicos, como fungos, vírus, bactérias e protozoários.

É uma área igualmente importante e apaixonante, na qual tenho a grande honra de realizar e ensinar.

A profissão farmacêutica é única, possui um leque de atuações e se permitirem dar um conselho, eu diria: estude, capacite-se, escolha uma área que você gosta e, com certeza, você fará um bem enorme a você e à população.


Palavras-chave , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Farmácias Associadas lança campanha Amizade & Esperança

Farmácias Associadas lança campanha Amizade & Esperança

Já é senso comum que o laço representa a luta contra o câncer de mama. Também são os laços que fortalecem as amizades. E amizade é a essência da Farmácias Associadas, maior rede de farmácias do Rio Grande do Sul com mais de 900 unidades. Mas como se destacar em meio a tantas ações de Outubro Rosa no mercado farmacêutico e outros? Foi com esse desafio e com essas conexões na estratégia criativa que nasceu o conceito “Amizade & Esperança. Um laço associado à vida” para a campanha que a SPR assina para a Farmácias Associadas marcar presença no Outubro Rosa.

A campanha associa o símbolo da luta contra o câncer de mama a laços de amizade, de esperança e de luta a favor da vida em peças que se desdobram em vídeos para internet, conteúdo para blog com o objetivo de reforçar o conceito, cartazes para coletas de doações, cards, carrosséis, stories e outras peças digitais. O conceito se transmuta e se transforma conforme os assuntos abordados em cada material da campanha, como “Cuidado & Prevenção. Um laço associado à vida” e “Força & Cura. Um laço associado à vida”.

“Pensamos em uma campanha que pudesse não apenas lembrar do Outubro Rosa, mas também informar as pessoas com dados relevantes de uma maneira próxima e amiga. No final, conseguimos criar uma mensagem que defende duas bandeiras muito importantes sobre o câncer de mama: a prevenção e a esperança”, destaca Gustavo Ermel, diretor de estratégia e inovação da SPR.

Ao todo são seis vídeos, produzidos pela Brasão Real Produções, a serem exibidos ao longo do mês de outubro, nas redes sociais da Farmácias Associadas. Confira o primeiro vídeo, lançado no dia 1º de outubro, no link https://we.tl/t-3KzzUxCJrV

FICHA TÉCNICA

Campanha: Amizade & Esperança. Um laço associado à vida.
Peças: Conteúdo para blog, vídeos para internet, cartazes para coletas de doações, cards, carrosséis, stories e peças digitais
Cliente: Farmácias Associadas
Agência: SPR
Diretor-Executivo: Juliano Hennemann
Diretor de Estratégia e Inovação: Gustavo Ermel
Diretora de Atendimento: Giorgia Antunes Lorenz
Executiva de Contas: Barbara Vellwock
Direção de Criação: Fábio Henckel
Direção de Arte: Bruno Henrique Schneider
Redação: Aroldo Thaddeu Anderson
Arte-finalização: Joel Nunes
Revisão: Bruna Martins Vilagran
Social Media: Cleiton Pires e Tamires Pereira
Produção Gráfica: Luana Hans
Fornecedor: Brasão Real
Aprovação do Cliente: Tatiana Schena e Susy Nogueira


Palavras-chave , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Blau Farmacêutica atinge receita líquida de R$ 303 milhões

PFARMA

Blau Farmacêutica atinge receita líquida de R$ 303 milhões no 3o trimestre de 2020 e chega a R$ 1,1 bilhão nos últimos 12 meses

A Blau Farmacêutica, uma das principais indústrias farmacêuticas brasileiras do segmento hospitalar, anunciou no dia 09 de outubro seus resultados consolidados para o 3o trimestre de 2020 (3T20) e para os nove meses do ano (9M20). Os resultados demonstram a resiliência da Companhia com 14% de aumento da receita líquida quando comparado ao mesmo período do ano anterior, forte lucratividade, atingindo 25% de margem líquida; e geração de fluxo de caixa. Ainda nesse trimestre, as vendas do mercado privado representaram 77% da receita total, ultrapassando, já no mês de agosto, a venda total do ano de 2019 no mercado privado. Nos últimos 12 meses, a receita líquida totalizou R$ 1,1 bilhão no 3T20.

“Em momentos desafiadores como esse, devido à pandemia COVID-19, manter o foco em criação de valor para os clientes, na capacidade de fornecer medicamentos críticos para a saúde e no compromisso inabalável com nossos colaboradores e com nossos valores, faz toda a diferença. Os constantes investimentos aos longos dos anos em aumento de capacidade produtiva com flexibilidade operacional nos trouxeram a possiblidade de aumentar a produção de diversos produtos de acordo à necessidade dos hospitais, mantendo o abastecimento de medicamentos essenciais nas áreas de unidade de terapia intensiva, anestesiologia, imunologia, hematologia e clínica geral. O resultado está́ impactado pelo mix de produtos, que, mesmo com o aumento de diversos insumos, conseguimos ter expansão de margem. Seguimos aumentando as vendas no mercado privado e ampliando o acesso”, afirma Marcelo Hahn, CEO da Blau Farmacêutica.

Outro fator somado ao crescimento da Blau foi o ritmo de investimentos em PD&I, novos negócios e M&A, além dos investimentos na ampliação de capacidade produtiva, tanto nas unidades fabris já em operação, como nas duas novas plantas em construção. “A aquisição da Pharma Limírio, que realizamos durante a pandemia, mostrou capacidade do time da Blau de identificar oportunidades estratégicas e sermos eficientes na execução e integração. Além desta aquisição, montamos uma subsidiária nos Estados Unidos dedicada a investimentos em centros de coleta de plasma, em linha com a estratégia de verticalização de insumos estratégicos para nossa independência produtiva. E também concluímos a instalação de todos os equipamentos das plantas de insumos biotecnológicos, dentro desta mesma linha de execução da estratégia de verticalização”, destaca Hahn.

Alinhado aos investimentos em PD&I, a Companhia segue registrando novos produtos em todos os países. Do começo do ano até hoje, a Blau registrou nove novos produtos na Anvisa e 20 novos produtos na América Latina, totalizando 193 produtos registrados na Latam.

Fonte: Blau Farmacêutica


Palavras-chave , , , , , , , , , , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



PagTesouro novo sistema de pagamento da ANVISA

(Texto atualizado em 21/10/2020 às 06:42 pm)

Você sabia que é possível pagar as taxas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) usando o sistema PagTesouro?

Lançado em Setembro de 2019, pela  Secretaria do Tesouro Nacional (STN), o projeto é fruto de uma parceria entre a Secretaria de Governo Digital, o Banco do Brasil e a própria ANVISA. O PagTesouro é uma plataforma de pagamentos para o Governo.

O objetivo é modernizar a forma de interação entre o governo e o cidadão, apoiando-se na transformação digital.  Dessa maneira é possível reduzir a burocracia, aumentando a eficiência dos serviços públicos, e ainda reduzindo o tempo de resposta do Estado para a sociedade.

Com essa transformação tanto é possível alcançar maior flexibilidade na hora de realizar pagamentos por taxas ou serviços públicos, fugindo do convencional boleto para formas mais atuais, como até mesmo a carteira digital.

Segundo informações divulgadas pelo Governo Federal a estimativa era de que o pagamento de mais de 90 mil petições recebidas pela Anvisa anualmente já poderia ser facilitado com o sistema. Taxas referentes ao registro de alimentos, avaliações toxicológicas e regularização de importações e exportações de materiais, estão entre os processos facilitados. 

Como funciona o PagTesouro

O PagTesouro funciona como uma alternativa a Guia de Recolhimento da União (GRU) com a vantagem de processar pagamentos a qualquer horário. E ainda  possibilitando transações instantâneas. No momento em que o usuário solicita algum serviço à União ele pode optar pelo pagamento via PagTesouro. Realizando o pagamento das taxas com seu cartão de crédito.

O sistema de pagamentos vai ser inicialmente exclusivo para correntistas do Banco do Brasil, de acordo com o portal de notícias da agência, “para utilizar a funcionalidade, a empresa deverá realizar a adequação na agência do Banco do Brasil em que é correntista, atendendo aos critérios necessários. Se optar pelo “débito na conta de sua empresa” e tiver em seu contrato junto ao Banco do Brasil a necessidade de mais de uma assinatura, a empresa terá seu pagamento validado somente após a confirmação do cumprimento das exigências”. 

Na mesma nota, a agência informa que a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) estaria trabalhando para estender o uso do PagTesouro aos demais bancos. Porém não divulga uma data para o inicio da operação, ou quais serão os próximos bancos a comportar a opção de pagamento.

Vantagens do PagTesouro para as farmácias

A principal vantagem do serviço é a redução no tempo de confirmação do pagamento. Em minutos o Órgão Arrecadador visualiza o pagamento, permitindo ganhos de eficiência e economia de tempo.

Por exemplo, o pagamento da taxa de Autorização de Funcionamento (AFE) e Autorização Especial (AE) já podem ser realizadas com o sistema PagTesouro.

É sempre válido recordar que desde 2014 não existe mais a obrigatoriedade de renovação das autorizações citadas acima.

Mercado farmacêutico



Renovação da licença CLF da Polícia Federal no SIPROQUIM

A licença CLF, emitida pela Polícia Federal para farmácias de manipulação que compram, armazenam e manipulam insumos controlados, deve ser renovada anualmente, 2 meses (60 dias) antes do seu vencimento.

A responsabilidade em renovar a licença da Polícia Federal no sistema SIPROQUIM é do responsável pela farmácia, ficando a empresa sujeita à multas e punições como o bloqueio junto a fornecedores, caso não providencie a renovação da CLF (Certificado de Licença de Funcionamento).

Tanto o farmacêutico responsável técnico, quanto o proprietário ou responsável legal pela empresa, podem vir a responder em caso de irregularidade e falta da licença.

Como renovar a CLF?

O procedimento deve ser realizado junto ao sistema da PF, conhecido como SIPROQUIM 2. Após acesso ao sistema e solicitação do trâmite de renovação, será emitida a GRU, para pagamento da taxa exigida para renovar o documento.

Os links de acessos aos sistemas de emissão e atualização da documentação podem ser encontrados diretamente no site da instituição: www.pf.gov.br

Quanto custa para renovar a licença de funcionamento CLF?

A taxa exigida para renovação da licença de funcionamento da PF varia aproximadamente entre R$  506 e R$ 1668 reais e será definida no ato da solicitação, conforme o tipo de empresa que solicita a documentação.

Após realizar o trâmite no sistema da PF e o pagamento da taxa, será emitida e renovada a licença, e portanto a farmácia magistral estará regularizada e apta para trabalhar com insumos sujeitos a controle especial da Polícia Federal.

A Polícia Federal realiza o controle e a fiscalização da fabricação, produção, armazenamento, transformação, embalagem, compra, venda, comercialização, aquisição, posse, doação, empréstimo, permuta, remessa, transporte, distribuição, importação, exportação, reexportação, cessão, reaproveitamento, reciclagem, transferência e utilização de produtos químicos que possam ser utilizados como insumo na elaboração de drogas ilícitas e portanto exige a documentação regularizada e atualizada.

Regularize sua documentação sem burocracia: conte com especialistas para renovar sua licença.

Fonte: Site da Polícia Federal, Fonte 2 e Fonte 3

Mercado farmacêutico



Serviços farmacêuticos em alta

Serviços farmacêuticos em alta. - Dr.Farmaceuticos

População manifesta em pesquisas sua aprovação às ações clínicas dos profissionais

Pesquisas de opinião pública vêm mostrando a aprovação aos serviços farmacêuticos pela sociedade brasileira. Uma delas, encomendada pela Abimip (Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição), ouviu 2 mil pessoas de todas as regiões do País e apurou que 77% dos entrevistados responderam que o farmacêutico é “importante ou muito importante” como fonte de informação sobre uso de MIPs.

A sondagem foi realizada, em 2018, pela Iqvia, empresa multinacional americana que atende indústrias de tecnologia da informação em saúde e pesquisa clínica.

O Conselho Federal de Farmácia tomou conhecimento da pesquisa, por meio de diretores da Abimip, quando estes fizeram uma visita de cortesia à sede do CFF, em Brasília, no dia 09.08.2019, e foram recebidos pelo presidente do órgão, Walter Jorge João.

O objetivo da pesquisa da Abmip era entender o nível de conhecimento dos brasileiros sobre os medicamentos isentos de prescrição e a sua relação com esses produtos. O levantamento apurou, ainda, que essa categoria de medicamentos é a primeira opção para o tratamento de sintomas de problemas menores e que eles não mascaram doenças, vez que os usuários aguardam, até três dias, pelo desaparecimento dos sintomas.

Do contrário, buscam o médico”.“Todos os diretores da Abimip, também, têm respeito pela capacidade técnica e pelo papel social do farmacêutico”, disse o presidente da Associação, Rodolfo Hrosz (Sanofi), ao presidente do CFF, Walter Jorge João. Hrosz estava acompanhado de Rodrigo Garcia e Marli Sileci, vice-presidente e vice-presidente executiva da Abimip.

Na ocasião, o presidente do CFF conclamou a Abimip a se engajar em um esforço em favor da prescrição farmacêutica.O CFF insiste em que medicamentos isentos de prescrição somente devem ser dispensados, mediante a orientação farmacêutica, para garantir o seu uso correto, livrando o paciente de riscos.

Dr. Walter Jorge lembrou aos diretores da entidade que MIPs podem gerar, entre outros problemas, graves interações com diferentes medicamentos. Ele citou o caso do uso concomitante do antitérmico e analgésico ácido acetilsalicílico, de venda livre, com varfarina, anticoagulante indicado na prevenção das tromboses. “A associação dos dois pode desencadear grave hemorragia, com risco de morte”, alertou Dr. Walter Jorge.

SUBNOTIFICAÇÃO – Odirigente do CFF denunciou que grande parte das interações e de outros riscos causados pelo uso de MIPs não é notificada, fazendo com que autoridades sanitárias, pesquisadores e população não tomem conhecimento do problema. A subnotificação, segundo Walter Jorge, “é uma realidade preocupante, pois, entre outras consequências, contribui para a expansão do uso irracional de MIPs e seus consequentes riscos”. Por isto, ele defende que os medicamentos isentos de prescrição recebam uma tarja azul e sejam dispensados, mediante a orientação obrigatória do farmacêutico. Gabriel Amorim Farmacêutico

FONTE:
Pharmacia Brasileira


Palavras-chave , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Eurofarma é eleita a melhor farmacêutica pela Época Negócios 360º

eurofarma laboratorio

Companhia também se destacou na primeira posição nas dimensões Sustentabilidade e Visão de Futuro

A Eurofarma sagrou-se campeã da edição 2020 da Época Negócios 360º na categoria Indústria Farmacêutica e Cosméticos, premiação conduzida pela revista Época Negócios,em parceria com a Fundação Dom Cabral.

A pesquisa, considerada uma das mais completas em excelência empresarial do Brasil, avalia as companhias em seis dimensões: Inovação, Sustentabilidade, Visão de Futuro, Governança Corporativa, Pessoas e Desempenho Financeiro. Nesta edição 2020, as empresas avaliadas estão organizadas em 24 setores da economia, cada um com a sua campeã. Leia mais ›


Palavras-chave , , , , , , , , , , , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Rede StyloFarma investe em mudanças na rede

Rede StyloFarma investe em mudanças na rede

A rede StyloFarma já conta com 84 unidades, distribuídas em 38 municípios do estado de Santa Catarina. A rede, que nasceu em 2008, tem o objetivo de abrir mais 15 unidades ainda este ano, também no estado de Santa Catarina e planeja expandir para os estados vizinhos em 2021.

“O mercado farmacêutico é bastante competitivo, porém ainda possui muitas oportunidades de expansão aonde nosso modelo de negócios poderá ser um grande aliado para a farmácia independente. A Rede Stylofarma detém diferencias competitivos e uma estrutura pronta para atender em todo o território nacional, amparada por uma gama de ferramentas de gestão e inteligência de mercado, além de uma equipe qualificada para transformar uma farmácia em um negócio rentável e competitivo”, pontuou o diretor comercial e operacional da StyloFarma, Stefan Henrique Passold. Leia mais ›


Palavras-chave , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Recentes resultados sobre o uso hidroxicloroquina ao SARS-Cov-2

Recentes resultados sobre o uso hidroxicloroquina ao SARS-Cov-2

Os profissionais de saúde na linha de frente do Covid-19 estão em alto risco de contrair a doença. Atualmente, apesar de muitas medicações terem sido levantadas como possíveis profilaxias, até onde sabemos, não foi descoberta nenhuma eficaz para indivíduos em risco.

Um estudo publicado no JAMA hoje avaliou o papel da nossa velha conhecida hidroxicloroquina em profissionais de saúde hospitalares com exposição a pacientes com Covid-19, usando uma estratégia de profilaxia pré-exposição. Será que desta vez a medicação trouxe algum benefício?

Método

Trata-se de um ensaio clínico randomizado, duplo-cego e controlado por placebo conduzido em 2 hospitais terciários. O estudo randomizou 132 profissionais de saúde em tempo integral em hospitais (médicos, enfermeiras, auxiliares de enfermagem certificados, técnicos de emergência e fisioterapeutas), dos quais 125 eram inicialmente assintomáticos e tiveram resultados negativos para SARS -CoV-2 por swab nasofaríngeo.

Os participantes foram divididos em 2 grupos, o que recebeu a hidroxicloroquina (na dose de 600 mg, diariamente) e o grupo placebo (que foi dado em tamanho correspondente), ambos foram tomados por via oral por 8 semanas. O ensaio foi encerrado mais cedo por futilidade, antes de atingir a inscrição planejada de 200 participantes.

O desfecho primário foi a incidência de infecção por SARS-CoV-2 determinada por um swab nasofaríngeo na quarta e na oitava semana de tratamento. Os desfechos secundários incluíram efeitos adversos, descontinuação do tratamento, presença de anticorpos SARS-CoV-2, frequência de prolongamento do QTc e desfechos clínicos para participantes positivos para SARS-CoV-2.

Resultados da hidroxicloroquina contra o SARS-CoV-2

Dentre os participantes do estudo, não houve diferença significativa nas taxas de infecção em participantes randomizados para receber hidroxicloroquina em comparação com placebo (4 de 64 [6,3%] vs 4 de 61 [6,6%]; P > 0,99). Um total de 8 participantes tiveram resultados positivos para SARS-CoV-2 (6,4%), destes 6 desenvolveram sintomas virais; nenhum necessitou de hospitalização e todos se recuperaram clinicamente.

Mensagem prática

  • Neste ensaio clínico randomizado, embora limitado pelo término precoce e pela população pequena, não houve benefício clínico da hidroxicloroquina administrada diariamente por 8 semanas como profilaxia pré-exposição em profissionais de saúde expostos a pacientes com infectados pelo SARS-Cov-2.
  • Aguardamos novos estudos que possam fornecer uma medicação eficaz para a profilaxia pré-exposição ao SARS-Cov-2.

Gabriel Amorim
Farmacêutico

Referência: PEDMED
Autor(a): Dayanna de Oliveira Quintanilha, Residência em Clínica Médica na UFF ⦁ Graduação em Medicina pela UFF ⦁ Contato: [email protected] ⦁ Instagram: @dayquintan


Palavras-chave , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Abradilan divulga nota de esclarecimento sobre Operação Monte Cristo

PFARMA

(Texto atualizado em 06/10/2020 às 05:54 pm)

Em relação a Operação Monte Cristo, realizada pelo MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo), nesta quinta-feira, a Abradilan divulgou a seguinte nota de esclarecimento (reproduzida na íntegra abaixo):

NOTA OFICIAL DE ESCLARECIMENTO/POSICIONAMENTO

A Associação Brasileira de Distribuição e Logística de Produtos Farmacêuticos (Abradilan) vem a público esclarecer e se posicionar à respeito da operação deflagrada que está acontecendo hoje (01º de outubro de 2020) pelo Ministério Público de São Paulo, Polícia Federal e Secretaria da Fazenda, que investiga casos de fraude fiscal e sonegação no setor farmacêutico e cita o nome da entidade no envolvimento de fraudes cometidas por grupos empresariais responsáveis pela distribuição de medicamentos no estado de São Paulo e pelo comércio varejista, a partir de redes de farmácias.

A medida contra a Abradilan é um equívoco por parte das autoridades envolvidas. A Abradilan não é uma entidade comercial, mas uma entidade representativa de classe, que tem mais de 140 empresas associadas. A Abradilan não vende, não compra, não estoca produtos, não incentiva qualquer prática não tendo qualquer envolvimento nas ações comerciais de seus membros.

A Abradilan ressalta que apoia toda e qualquer medida que contribua para a transparência no mercado farmacêutico, mas não pode deixar de manifestar surpresa e estranheza com o seu nome no mencionado neste processo.

Conselho Diretivo
Fonte: Abradilan


Palavras-chave , , , , , , , , , , , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Lei dos 30 Dias não é cumprida por falta de regulamentação do Ministério da Saúde

(Texto atualizado em 06/10/2020 às 05:56 pm)

cancer celulas

Responsabilidade é de estados e municípios, mas governo federal não regulamentou a lei com portaria específica, demonstrando descaso com a oncologia

Câncer é uma doença de rápida evolução e que não faz quarentena nem jogo político. Os riscos de morte são maiores e os custos, muito mais altos quando os casos chegam em estágios avançados. Uma das leis a favor de pacientes, a Lei dos 30 Dias, estabelece que exames para a confirmação do diagnóstico de câncer devam ser realizados em até um mês. Seu objetivo é o diagnóstico precoce, o que aumenta as chances de cura e de a doença nunca mais voltar, além de diminuir o impacto na gestão de pacientes oncológicos, com menos tratamentos, gastos e processos judiciais.

A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA) atua junto ao poder público para garantir os direitos de pacientes, já que as leis não são cumpridas e as taxas de mortalidade na oncologia continuam altas.

Segundo publicação do Diário Oficial, a regulamentação da Lei dos 30 Dias deveria ser feita pelo Ministério da Saúde até 28 de abril, o que nunca aconteceu. A justificativa foi o coronavírus. Mas mesmo antes da pandemia, a auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) apontou espera de até 200 dias para o diagnóstico de câncer, quase sete vezes mais do que a lei garante ao paciente.

Ao ser questionado pela FEMAMA, o Ministério respondeu que já era subentendido que a lei estaria regulamentada por portarias anteriores, como a que institui a Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer, e que a responsabilidade era, agora, dos estados e municípios. Isso realmente é verdade, mas vale reforçar que é responsabilidade do Ministério da Saúde dar direcionamento para que os níveis regionais de poder possam ter uma atuação unificada e garantam aos cidadãos seus direitos ao diagnóstico e tratamento do câncer de forma precoce. Nenhuma das portarias mencionadas pelo Governo Federal, por exemplo, versa sobre um prazo de 30 dias.

A falta dessa orientação deixa dúvidas cruciais como em que parte da jornada do paciente começa e onde termina o prazo dos 30 dias; quem fica responsável pelo registro, notificação, fiscalização e monitoramento da lei; qual é o sistema que unificará e quando ele entrará em operação. Isso tudo inviabiliza a aplicação da lei no sistema público de saúde.

Levantamento com estados e municípios mostra despreparo na oncologia

A realidade é que pacientes esperam por muito tempo para fazer exames e biópsias e os gestores insistem em dizer que não há fila de espera. Essa incongruência veio à tona com o questionamento formal feito pela FEMAMA a estados e municípios por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI) após a terceirização de responsabilidade pelo Ministério da Saúde. O resultado, decepcionante, já era esperado por conta do relato de muitos pacientes: há um despreparo das instâncias regionais de poder, que não sabem como implementar a lei, apesar de terem ciência da responsabilidade que lhes foi repassada e da necessidade de diminuir a espera dos pacientes com queixas suspeitas de câncer.

Para entender o tamanho da desorganização, alguns não responderam dentro do prazo, de outros a resposta era vaga e prolixa, citando todos os esforços que realizam continuamente pelo bem de pacientes sem citar especificamente o que foi feito para se ter o diagnóstico precoce. Ainda foram encontrados casos onde o site para registrar reclamações ficou sem funcionar por um período. Poucos realizaram esforços específicos para a Lei dos 30 Dias funcionar. A impressão que fica é que nada foi feito e pacientes continuam tendo que aguardar por meses por seu diagnóstico.

Entre os 17 estados respondentes, somente 47% disseram que estão investindo em melhorias administrativas, de processos e infraestrutura de acesso para atender a lei. A notícia positiva é que, além destes, dois estados (12%) apontaram ter criado um programa de navegação de pacientes – Ceará e Maranhão. O levantamento também consultou diretamente 24 capitais, das quais 12 responderam. Quatro capitais afirmam estar atendendo no prazo de 30 dias – Belém, Fortaleza, Porto Alegre e São Paulo. Embora a maioria alegue que está fazendo o possível para aplicar o prazo correto da lei, quase 30% delas negam a responsabilidade, atribuindo-a ao estado. Embora o estudo seja menos robusto, mostra o empurra-empurra que vem acontecendo.

A FEMAMA possui 70 ONGs associadas em todo Brasil e, ao consultá-las, foi possível identificar que as respostas de alguns dos entes federados discordam das situações relatadas por pacientes. Criciúma (SC) é um exemplo de município que alegou que não há demanda reprimida, filas ou que prazo máximo está sendo respeitado. O caso de uma paciente atendida por uma ONG associada local mostra o contrário. Ela está há quase um mês tentando, sem sucesso, agendar sua consulta com mastologista após uma mamografia que identificou um nódulo. A justificativa do momento é o coronavírus. Nesse meio tempo, ela se mudou para Bento Gonçalves (RS) e, lá, saiu com uma consulta agendada para duas semanas depois, no SUS. Todo processo já ultrapassou 60 dias.

No Rio de Janeiro (RJ), o tempo médio para realização da biópsia até a disponibilização do resultado é de 29 a 35 dias. Porto Alegre (RS) alega que a consulta é marcada antes dos 30 dias, mas o que a lei deveria contemplar é todo o período até o diagnóstico, não só o da consulta nem só o do resultado. Alguns estados até mesmo dizem estar tentando “se virar”, cada um à sua maneira, já que não há um acordo ou investimento nacional partindo do Ministério da Saúde. A solução dada pela maioria dos estados e municípios é que, no caso de o prazo não ser cumprido, pacientes devem procurar a Unidade de Saúde em que foram atendidos e depois recorrerem às Ouvidorias dos Estados e do SUS. Ou seja, um ciclo vicioso sem resolução e sem um mecanismo unificado de fiscalização de cumprimento.

O sistema privado de saúde consegue oferecer diagnóstico e tratamento em um período muito inferior ao estabelecido, mas pacientes do SUS com suspeita de câncer têm uma jornada muito difícil, sem respaldo. Como resultado, a Covid-19 aumentou ainda mais a distância entre os pacientes oncológicos do sistema público e os da rede privada em relação à chance de cura do câncer. Se essa situação não for combatida, tanto os governos estaduais e municipais como o federal serão responsabilizados por essas vítimas. Pacientes não podem esperar o jogo político ficar mais ameno para cuidar de si e tratar do câncer.

Sobre a FEMAMA

A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama é uma organização sem fins econômicos que trabalha para reduzir os índices de mortalidade por câncer de mama em todo o Brasil, lutando por mais acesso a diagnóstico e tratamento ágeis e adequados. Com foco em advocacy, a instituição busca influenciar a formação de políticas públicas para defender direitos de pacientes, ao lado de mais de 70 ONGs de apoio a pacientes associadas em todo o país. Conheça nosso trabalho: www.femama.org.br


Palavras-chave , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Atualização: regra da quantidades máxima de medicamentos controlados

Atualização das Regras para as Quantidades Máximas de Medicamentos Sujeitos a Controle Especial Legislação –

Atualização das Regras para as Quantidades Máximas de Medicamentos Sujeitos a Controle Especial em Decorrência da Pandemia de COVID-19

Em virtude da Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII), relacionada ao novo Coronavírus (SARS-CoV-2), a A Anvisa e o Ministério da Saúde publicaram no dia 24/03/2020 a RESOLUÇÃO – RDC Nº 357, DE 24 DE MARÇO DE 2020 que estabeleceu Novas Regras para as Quantidades Máximas de Medicamentos Sujeitos a Controle Especial. Leia mais ›


Palavras-chave , , , , , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



3 barreiras que fazem as farmácias não alcançar metas

3 barreiras que fazem as farmácias não alcançar metas

Alcançar metas faz parte da rotina de qualquer empresa e é essencial para nortear os colaboradores em encontro com os objetivos almejados. Ainda sim apenas um seleto grupo realmente consegue tornar tangível o que foi de fato planejado. O que faz isso acontecer é o desconhecimento das barreiras “invisíveis” que estão no caminho do empreendedor farmacêutico, impedindo-o de alçar metas.

Com o intuito de simplificar esse processo, trouxemos as 3 principais barreiras que inevitavelmente as farmácias e drogarias terão que superar para alcançar metas. Continue a leitura e saiba se você as conhece e sabe como transpô-las. Confira!

Leia mais ›


Palavras-chave , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Estudos sobre medicamentos podem ser entregues em português

Medicamentos: estudos podem ser entregues em português

Com relação às submissões de análise dos medicamentos no formato Documento Técnico Comum (Common Technical Document – CTD), a recomendação é que o módulo II seja também encaminhado em português. De acordo com as normas da Anvisa, esse modulo contempla as seguintes informações: índice CTD; introdução CTD; resumo geral da qualidade; visão geral não clínica; visão geral clínica; resumos não clínicos tabulados e escritos; e resumos clínicos. 

A Anvisa esclarece que o encaminhamento de estudos em português é uma estratégia que visa reduzir o tempo de análise das petições. A Agência ressalta contudo, que não há impedimento formal de apresentação da documentação nos idiomas inglês e espanhol, de acordo com a Resolução da Diretoria Colegiada RDC 25/2011, que dispõe sobre os procedimentos gerais para utilização dos serviços de protocolo de documentos da Anvisa. 

Com informações da Assessoria de Imprensa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária


Palavras-chave , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Grupo Tapajós implementa e-commerce e automatiza processos nas farmácias

PFARMA

Plataforma oferece imagens e informações de produtos para os verejistas

Líder do varejo farmacêutico na Região Norte, o Grupo Tapajós dá mais um passo no processo de transformação digital com a implantação de seu sistema de e-commerce. Para auxiliar nessa jornada, a companhia acaba de fechar uma parceria com a Simplus, empresa de tecnologia especializada em automação de cadastro de produtos, que fornece informações e imagens de produtos de mais de 5 mil marcas.

Para agilizar a criação do canal e oferecer uma experiência de compra aprimorada, a plataforma disponibiliza fotos em diversos formatos, além da descrição completa dos medicamentos e produtos de higiene e beleza. “Estamos apostando em inovações digitais para consolidar nossa posição de referência no Norte do país. E a rica base de dados do Simplus nos ajudará a acelerar esse processo”, comemora Fernando Ferreira, diretor de marketing, vendas e consumer experience do Grupo Tapajós.

Com a tecnologia Simplus, a companhia também terá a informações como, relatório de verificação do código de barras, dados fiscais (CEST e NCM), logísticos e comerciais dos produtos. Sempre que um descritivo ou imagem sofrer alguma alteração, o Grupo Tapajós será comunicado por e-mail, para que possa atualizar seu e-commerce.

“As marcas atualizam cerca de 20% do portfólio por ano, por isso nós desenvolvemos um processo de manutenção, que mantém a última versão do produto na nossa plataforma. Com isso, garantimos a distribuição correta e atualizada das informações e imagens do portfólio dos nossos clientes para que os consumidores tenham a melhora experiência de compra em todos os canais de vendas. Isso gera mais receita para a indústria e para o varejo, pois previne trocas, devoluções e insatisfação dos clientes”, ressalta Wellington Machado, CEO da Simplus.

Sobre o Grupo Tapajós 

Líder no mercado farmacêutico na Região Norte do país, o Grupo Tapajós atua no setor de distribuição, com seis centros instalados nas cidades de Manaus, Belém, Porto Velho e Boa Vista. No varejo, mantém as redes de drogarias Santo Remédio, FlexFarma e FarmaBem. São mais de 125 lojas com produtos e serviços exclusivos, como salas clínicas e espaços dedicados à beleza, a dermocosméticos e os segmentos pet e fitness. Além disso, oferece os programas de fidelidade Mais Descontos e o Clube+, com mais de 900 mil clientes cadastrados.

Sobre a Simplus

A Simplus é a primeira  empresa de tecnologia especializada em automação do cadastro, que acelera negócios entre mais de 5 mil marcas e 800 varejos de todo o país, dos segmentos alimentício, construção e homecenter, eletroeletrônico e farmacêutico. Por meio da plataforma, centraliza informações completas e imagens de mais de 70 mil produtos, somando 4 milhões de atributos cadastrados em 1800 categorias acessadas por mais de 20 mil usuários.


Palavras-chave , , , , , , , , , , , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Farmácias já oferecem mais de 20 exames rápidos à população

PFARMA

Soluções tecnológicas da Clinicarx permitem implementar salas de atendimento para oferta de serviços clínicos.

As farmácias brasileiras já estão oferecendo mais de 20 tipos de exames e testes rápidos por meio de soluções tecnológicas como as da startup Clinicarx. A plataforma digital especializada em serviços de saúde disponibiliza uma solução completa de implantação de serviços farmacêuticos, gestão, consultoria, marketing, protocolos, treinamento e laboratório clínico de apoio para estabelecimentos que desejam implementar salas de atendimento clínico.

Os testes já estão disponíveis para mais de 2.300 farmácias e podem auxiliar os estabelecimentos em mais de 2 milhões de atendimentos feitos anualmente. “Além de representar uma alternativa mais econômica para o consumidor, contribui para o rastreamento da saúde populacional e garante o acompanhamento clínico de pacientes com doenças crônicas”, garante Cassyano Correr, fundador e CEO da Clinicarx.

As opções de serviços incluem exames beta-HCG, perfil lipídico, hemoglobina glicada, PSA, além de testes rápidos para doenças infecciosas, como dengue, hepatite C, sífilis, influenza, Covid-19 e HIV. São dezenas de exames padronizados, cobrindo as melhores metodologias e fornecedores do mercado, o que garante mais segurança e confiabilidade.

Ampliação e legislação

Recentemente, parcerias entre a startup e fornecedores como Abbott, ECO Diagnóstica e MedLevensohn, entre outros, permitiram a execução segura de testes da Covid-19 em milhares de farmácias de todo país. A Clinicarx foi destaque por sua atuação durante a pandemia, disponibilizando treinamento gratuito, chatbot para pacientes, ferramentas de triagem clínica e protocolo de testagem rápida para mais de 20 mil profissionais farmacêuticos.

Os estabelecimentos interessados solicitam à Clinicarx a ativação do serviço e recebem todo o suporte para implantação, incluindo software, aplicativo mobile para o paciente e conectividade com o laboratório clínico para emissão de laudo. Os profissionais de saúde também são contemplados com treinamento e suporte técnico-científico. As farmácias adquirem os equipamentos e insumos diretamente dos fornecedores.

Os testes rápidos são aqueles realizados fora da área de um laboratório, no ponto de atendimento do paciente e com uso de equipamentos portáteis, com resultado e laudo rápido a partir de pequenas quantidades de amostra biológica. Esses serviços são respaldados pela Lei n° 13.021/2014, Resolução CFF 585/2013 e RDC 302/2005 da Anvisa. Atualmente, a Anvisa prepara uma nova RDC que irá ampliar essa prestação de serviços, tanto em farmácias, como em consultórios e clínicas.


Palavras-chave , , , , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA



Seja bem-vindo(a) ao blog da M2Farma.

Neste espaço reunimos notícias sobre assuntos regulatórios e o varejo farmacêutico.

Nosso trabalho é facilitar a burocracia técnica, saiba mais.

Siga-nos:

📫 Receba por e-mail

Receba as últimas notícias sobre varejo farmacêutico, ANVISA, Farmácia Popular e Convênios PBM direto no seu e-mail:





Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
CUIDADO! O Ministério da Saúde, DAF e DENASUS NÃO PASSAM informações por telefone! Há muitas fraudes relacionadas ao Farmácia Popular. Certifique-se da veracidade das informações através do telefone e emails abaixo: (61) 3315-3361 - E-mails: [email protected], [email protected], [email protected]
+

📬 Receba as últimas notícias sobre o varejo farmacêutico, Farmácia Popular, ANVISA, convênios PBM e mais: