Vice-presidente da ABIMIP explica ações para o Dia Internacional do Autocuidado

No sábado, 24/07, acontece o Dia Internacional do Autocuidado e a ABIMIP – Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição – vem organizando uma série de ações em relações ao tema, proporcionando levar à população conhecimento de grande relevância.

Além de discutir os 7 pilares do autocuidado, como parte das ações, acontecerá uma Live muito especial com participação do Dr. Drauzio Varella. Para explicar melhor esse e outros importantes pontos relacionados ao tema, Marli Martins Sileci, vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição (Abimip), respondeu algumas questões relevantes ao portal da Febrafar:

  1. Quais são as ações que a ABIMIP programou para essa data?

A ABIMIP – Associação Brasileira da Indústria de Medicamentos Isentos de Prescrição – teve a iniciativa de adotar ações no sentido de promover a prática do autocuidado, tendo como principal objetivo informar e divulgar a importância de se ter atenção e autocuidado com a saúde durante 24 horas por dia, sete dias por semana.

E isso será feito por meio da divulgação de conteúdos que conscientizem a sociedade como um todo, incentivando uma postura ativa e responsável, dentro dos seguintes pilares: Conhecimento e informação confiável em saúde; Bem-estar mental e autoconsciência; Atividade física; Alimentação saudável; Consciência de atitudes de risco (cigarro, álcool, má alimentação); Boa higiene e o Uso racional de produtos e serviços de saúde, que inclui a utilização responsável de medicamentos isentos de prescrição (MIPs).

Além disso, uma ação com uma embaixadora nas redes foi planejada. Izabella Camargo, que é jornalista, palestrante com foco em saúde mental, bem-estar, gestão do tempo, produtividade sustentável e autocuidado, foi a personalidade escolhida para esta ação. Por meio dela, serão divulgados os valores e a missão da ABIMIP, além de informações ao público sobre autocuidado, ponto focal da campanha. Ela engajará o público a parar e pensar sobre a importância do autocuidado dentro dos 7 pilares.

Além disso, será realizada uma live, no dia 24/07, com o Dr. Drauzio Varella, tendo Izabella como intermediadora para esse bate-papo. A transmissão ocorrerá às 11h no Instagram da jornalista (@izabellacamargoreal).

  1. Em um cenário de muitas desinformações e Fake News, como as pessoas devem buscar informações seguras sobre a necessidade do Autocuidado?

Ao lado de dados concretos e verdadeiros que estão na internet, ainda há um grande volume de informações imprecisas e falsas que podem prejudicar a saúde dos seus leitores. Por isso, fontes éticas, alinhadas aos principais órgãos de saúde do País, são as principais indicações para combater a chamada “infodemia” ou a “pandemia de informação”, falsa ou verdadeira, do momento.

Atualmente, além de sites de saúde em geral e vários órgãos públicos, como o Ministério da Saúde, a Organização Mundial da Saúde e a Organização Panamericana de Saúde já dispõem em seus sites informações para o chamado “fact checking” ou a checagem de fatos divulgados por redes sociais, sites e aplicativos de mensagens.

Na verdade, segundo sites de verificação de notícias, como Boatos.org, Saúde sem Fake News e Fato ou Fake, já é possível tirar dúvidas sobre a autenticidade de uma informação de saúde.  Mas, mesmo se para muitos o cuidado foi redobrado depois de 17 meses de pandemia, a divulgação das chamadas fake news continua atrapalhando a luta pelo fim da pandemia. O indivíduo tem direito à informação correta sobre saúde e esse pilar de autocuidado representa muito. É preciso que a população entenda que toda notícia deve ser checada, antes de ser compartilhada e, se for falsa, ela pode pôr em risco uma vida.

  1. Quais as principais orientações que você pode passar sobre o tema e como melhorar a saúde?

O cuidado com a saúde de cada um, neste momento tão crucial do combate à pandemia, se torna ainda mais importante quando se sabe que atitudes simples, como lavar as mãos, evitar aglomerações e privilegiar a higiene, entre outras medidas, podem significar a vida.

  1. Muitas pessoas confundem o consumo de MIP com a automedicação, isso é um erro? Por qual motivo?

O termo automedicação é utilizado no Brasil de uma forma diferente do resto do mundo. Aqui o termo é frequentemente confundido com a autoprescrição, essa sim uma prática danosa (e incorreta) de comprar e utilizar remédios tarjados sem a apresentação de uma receita/prescrição de um médico, às vezes até por indicação de um parente ou vizinho. Por outro lado, quando o indivíduo utiliza, para alívio de seus sintomas menores,  um medicamento isento de prescrição (MIP), que não necessita de receita médica, está praticando a automedicação, que, inclusive, é um dos pilares do Autocuidado. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), Autocuidado consiste na autonomia e informação sobre as escolhas individuais em relação à própria saúde.

  1. Quais ações projetadas pela ABIMIP para os próximos meses?

A ABIMIP segue em sua missão de difundir conhecimento sobre o Autocuidado e, paralelamente, segue como agente facilitador na implementação de projetos de interesse do Segmento que representa, trabalhando para alcançar as metas eleitas por seus Associados, gerando valor para os mesmos.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário: