Consumidores preferem os genéricos

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Na maioria dos casos, os remédios genéricos ainda possuem preços mais em conta que os de marca.

Segurando uma cesta com alguns medicamentos genéricos, a professora Elizabeth Nascimento, 60 anos, garante que só compra um medicamento de marca original se não encontrar o genérico fabricado com a mesma composição. “Os próprios médicos já recomendam os genéricos nas receitas. Não tem problema nenhum e é mais barato”, pontua.

Elizabeth está entre os consumidores que se encaixam na pesquisa que analisou o perfil de compra de medicamentos, divulgada no dia 5 de outubro passado, pelo Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Continuada (IFEPEC). O levantamento aponta que 45% dos consumidores entrevistados está priorizando o preço em detrimento da marca na hora de adquirir medicamentos.

A reportagem do DIÁRIO esteve em uma farmácia situada no bairro do Umarizal, em Belém, para verificar a opinião dos consumidores sobre o assunto. Para a aposentada Maria Auxiliadora Moreira, 67, que trata pressão alta e diabetes, não há diferença em relação à eficácia dos medicamentos. “Para mim, um faz o mesmo efeito do outro. Costumo pegar o medicamento de graça, por meio de programas populares e sempre uso genérico”, ressalta.

Já a socióloga Dyrcelia Koury Palmeira, 71, destaca os preços dos genéricos que, em geral, costumam ser bem menores que os originais. “Por que pagar um preço mais alto se tem um genérico com a mesma durabilidade e eficácia?”, questiona.
PESQUISA

O levantamento realizado pelo Instituto Febrafar ouviu 4 mil consumidores de todo o Brasil, no momento em que saíam das farmácias após efetuar a compra de medicamentos. A pesquisa concluiu que 97% dos entrevistados compraram uma opção de medicamento com o menor preço. Nesses casos, os medicamentos genéricos foram a opção da maioria dos consumidores: 37% deles adquiriram medicamentos dessa modalidade, 32% compraram os de marcas e 31% compraram ambos os tipos com menores valores.

O levantamento constatou ainda que, a cada 4 compradores de medicamentos, 3 não portavam receita médica. Quando perguntados se estavam com ela, 74% dos clientes afirmaram que não, contra apenas 26% que disseram estar.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário:


Mercado farmacêutico
0
Conectando
Por favor, aguarde...
Como podemos ajudar?

Envie sua mensagem, logo retornaremos:

* Nome
* E-mail
Telefone
* Mensagem
Atendimento on-line

Como podemos ajudar?

Estamos on-line, fique à vontade para iniciar uma conversa com a M2Farma.

* Nome
* Email
Telefone
* Mensagem
Atendimento on-line
Feedback

Help us help you better! Feel free to leave us any additional feedback.

How do you rate our support?

Agradecemos sua visita ao blog e convidamos a conhecer nosso trabalho. Visite www.m2farma.com

Receba as últimas notícias sobre varejo farmacêutico, ANVISA, Farmácia Popular e convênios PBMs: