Incêndio destrói parte da fábrica da EMS em Hortolândia

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Um incêndio destruiu parte da fábrica de medicamentos da EMS, localizada em Hortolândia, interior de São Paulo, no último sábado, 20 de outubro. Em comunicado divulgado no domingo, a empresa informou que o incêndio não afetará a distribuição de medicamentos ao mercado. O complexo de Hortolândia possui duas plantas fabris independentes e a instalação responsável pela maior parte da produção não foi atingida e as atividades já deverão ser retomadas nesta segunda-feira, 22 de outubro. O impacto na outra planta ainda está sendo avaliado.

Ainda segundo a nota, a EMS possui outras quatro unidades fabris no Brasil, que suprirão o abastecimento, além de estoques de produtos acabados em um centro logístico em Jaguariúna-SP. A avaliação preliminar aponta que a área atingida foi o almoxarifado, onde fica armazenada uma parte das embalagens e da matéria-prima utilizada pela empresa. Em relação às outras áreas do complexo de Hortolândia, a dimensão exata dos danos está em avaliação pelas autoridades competentes.

O incidente começou por volta das 11h30 do sábado. Aproximadamente 80 trabalhadores, além de muitas crianças e familiares de funcionários que participavam de um evento na fábrica no momento em que o fogo começou, foram retirados às pressas pela Brigada de Incêndio.
O incêndio também forçou a rápida evacuação de algumas residências vizinhas à empresa em Hortolândia.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Qual sua opinião? Deixe seu comentário:



Palavras-chave ,
Indústria farmacêutica

Seja bem-vindo(a) ao blog da M2Farma.

Neste espaço reunimos notícias sobre assuntos regulatórios e o varejo farmacêutico.

Nosso trabalho é facilitar a burocracia técnica, saiba mais.

Siga-nos:

📫 Receba por e-mail

Receba as últimas notícias sobre varejo farmacêutico, ANVISA, Farmácia Popular e Convênios PBM direto no seu e-mail:





📬 Receba as últimas notícias sobre o varejo farmacêutico, Farmácia Popular, ANVISA, convênios PBM e mais: