Mercado de cosméticos brasileiro é o 3° maior no mundo

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

(Texto atualizado em 01/11/2012 às 10:32 am)

O consumo de produtos de higiene e beleza crescem a passos largos no país. Segundo dados do Instituto Euromonitor, o mercado de cosméticos faturou US$ 43 bilhões em 2011, apresentando um crescimento de 18,9%  o maior registrado entre os dez principais mercados do mundo no setor.

Em consumo de produtos de beleza, o Brasil aparece em terceiro lugar no ranking, com (10,1%) de participação, atrás apenas dos Estados Unidos (14,8%) e do Japão (11,1%).

Pesquisas da Nielsen apontam que o crescimento das vendas de produtos HPC (higiene, perfumaria e cosméticos) acontece em todos os canais de vendas, mas são nos formatos porta a porta, perfumaria, farmácias e drogarias que esse aumento é mais acentuado.

Para acompanhar esse comportamento de consumo da população brasileira, muitas farmácias e drogarias também têm investido na melhoria da oferta de produtos de HPC. E, os distribuidores associados da Abradilan (Associação Brasileira dos Distribuidores de Laboratórios Nacionais)  www.abradilan.com.br -, observando o bom momento da economia em termos de consumo, estão investindo na ampliação do mix de produtos que serão comercializados no canal farma, incluindo os itens de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, que devem alavancar as vendas em 25% ainda este ano, segundo uma enquete realizada entre os meses de fevereiro e março de 2012.

Para o diretor executivo da Abradilan, Geraldo Monteiro, essas projeções otimistas estão sustentadas pelas transformações econômicas vividas pelo Brasil. O país vem mudando o formato da pirâmide de classificação econômica, aumentando a classe C, que passou a representar mais de 70% da população brasileira, e diminuindo a porcentagem de classes D e E, respectivamente. Além disso, houve um aumento significativo da renda média das pessoas em todas as classes e os reflexos foram sentidos no ânimo e no espírito da sociedade, principalmente na parcela de menor poder aquisitivo, que passou a consumir o que antes não era possível, incluindo produtos e serviços, comenta.

Essa alteração na sociedade impactou diretamente no estilo de vida da população, que passou a se preocupar mais com qualidade de vida. E, para atender essa crescente demanda, as indústrias começaram a desenvolver produtos com alta tecnologia e diversos benefícios agregados, que proporcionam prazer e bem-estar, além das ações primárias essenciais para a saúde (ex: hidratante corporal, com colágeno, filtro solar e clareador de manchas, entre outros). Esses produtos apresentam design inovador aliado a glamour e luxo consciente.

Fonte: Portal Fator Brasil e Nielsen

Qual sua opinião? Deixe seu comentário:


Mercado farmacêutico

Seja bem-vindo(a) ao blog da M2Farma.

Neste espaço reunimos notícias sobre assuntos regulatórios e o varejo farmacêutico.

Nosso trabalho é facilitar a burocracia técnica, saiba mais.

Siga-nos:

📫 Receba por e-mail

Receba as últimas notícias sobre varejo farmacêutico, ANVISA, Farmácia Popular e Convênios PBM direto no seu e-mail:





📬 Receba as últimas notícias sobre o varejo farmacêutico, Farmácia Popular, ANVISA, convênios PBM e mais: