MST invade sede do Mapa em Porto Alegre

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Integrantes do movimento montaram barracas no pátio e proibiram a entrada de carros

O Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) invadiu a sede do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) no final da manhã desta terça, em Porto Alegre. Os integrantes do movimento montaram barracas no pátio e proibiram a entrada de carros fechando o portão que dá acesso ao prédio. No local também funciona o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), o Ministério da Pesca e a Delegacia Federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).

A mobilização faz parte de uma jornada nacional. Na pauta de reivindicações está a retomada da Reforma Agrária, o uso abusivo de agrotóxicos e o fim da violência contra a mulher. “Esses são os principais pontos da nossa luta. Queremos também que o governo construa um programa de produção de alimentos saudáveis”, explicou um dos membros do MST e coordenador da Via Campesina Cedenir de Oliveira.

O grupo que se instalou nesta terça no Mapa é composto por integrantes de acampamentos espalhados pelo Rio Grande do Sul. “Ainda novos companheiros devem chegar para dar apoio”, salientou. A expectativa é de que ao todo 4 mil pessoas participem nesta quarta-feira das mobilizações, junto as agricultoras que também realizam manifestações no Estado.

Mais de 20 ônibus foram utilizados para trazer barracas, colchões e alimentos para o acampamento. Nesta quarta-feira uma marcha, que deverá partir do Laçador, será realizada às 7h, na Capital. O Incra informou que até ontem não havia recebido a pauta oficial de reivindicações, nem um pedido de reunião, portanto, não iria se manifestar sobre o caso.

 

 

Fonte: Portal Correio do Povo

Qual sua opinião? Deixe seu comentário:



Palavras-chave , , ,
Mercado farmacêutico

📬 Receba as últimas notícias sobre o varejo farmacêutico, Farmácia Popular, ANVISA, convênios PBM e mais: