Não medicamentos são 1/3 dos itens vendidos em farmácias

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

(Texto atualizado em 14/07/2015 às 05:47 pm)

não medicamentos são quase metade  do faturamento de farmáciasA venda de produtos que não se enquadram na categoria dos medicamentos, como produtos de beleza e barras de cereais, tem hoje um papel de destaque no avanço do varejo farmacêutico.

A categoria de não medicamentos, que respondia por cerca de 23% das vendas das grandes redes em 2004, neste ano corresponde a 33%.

A participação dos medicamentos nas vendas totais, por sua vez, caiu de um patamar de 77% para 67% em dez anos, números que justificam o interesse do setor por territórios além dos remédios.

“Esse grupo de não medicamentos tem crescido aqui, mas, se compararmos com mercados como o americano e o britânico, em que eles representam perto da metade do faturamento, vemos que ainda pode crescer no Brasil”, diz Sérgio Mena Barreto, presidente da Abrafarma (Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias).

“É uma categoria que ajuda a pagar os salários”, diz.

Os não medicamentos são um dos fatores de sobrevivência das farmácias pois, diferente dos medicamentos, não são submetidos a controle de preços do governo.

O comércio desses produtos subiu quase 20%. ante alta de 11,5% dos remédios.

 

Vinho em farmácia

“E não é só nos EUA e no Reino Unido que esse modelo de venda de produtos de conveniência é mais desenvolvido. Países como África do Sul, Chile e Bolívia também são referências. No sul da Itália, é possível comprar vinho em farmácia”, diz Barreto.

Segundo ele, os donos de farmácias que não entenderam as mudanças de perfil pelas quais o varejo passou na última década já começaram a perder participação no mercado farmacêutico.

Muitas das farmácias menores, de bairro, que não estavam ligadas a redes e geralmente tinham pouco espaço físico para ampliar a oferta de produtos nas gôndolas tiveram de fechar as portas.

“A maior parte dos nossos consumidores são mulheres. Se entram numa farmácia hoje em dia e não encontram o achocolatado e a barra de cereal de que precisam para consumir rapidamente na rotina, vão trocar de farmácia. Elas também querem acesso a diversas marcas de xampu e hidratante. Não basta ter duas ou três opções.”

A participação de mercado das farmácias ligadas a redes é de 55%, diz a Abrafarma.

Fonte: Folha de S. Paulo

Qual sua opinião? Deixe seu comentário:



Palavras-chave , , , ,
Mercado farmacêutico, Legislação e regulamentações, Marketing Farmacêutico

📬 Receba as últimas notícias sobre o varejo farmacêutico, Farmácia Popular, ANVISA, convênios PBM e mais: