O perigo de analgésicos sem controle médico

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

Em caso de dor de cabeça frequente e desconfortável, é importante a recomendação obrigatória da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) presente nas caixinhas dos analgésicos comercializados sem receita: não desaparecendo os sintomas, procure orientação médica.

Na revista “Headache” deste mês, o médico Franz Riederer e colaboradores relatam o encontro de alterações do córtex cerebral pelo excesso no uso desses remédios, sugerindo alterações neurobiológicas.

A enxaqueca também foi abordada neste mês na revista “Annals of Emergency Medicine”. O médico Benjamin W. Friedman relata o atendimento de cerca de 1,2 milhão de pessoas anualmente em prontos-socorros norte-americanos –a doença atinge 18% das mulheres e 9% dos homens, segundo o texto.

O difícil diagnóstico de enxaqueca é feito com base nos sintomas clínicos, principalmente pelos neurologistas. Antigamente, a doença era relacionada a uma causa vascular.

Hoje, explica o especialista, estudos radiológicos avançados não sustentam essa causa e indicam uma alteração neurológica envolvendo estímulos periféricos transmitidos pelo sistema nervoso central.

Apesar de atualmente não haver exame laboratorial ou radiológico para confirmar o diagnóstico, uma resposta ao tratamento da dor não deve excluir a possibilidade de causa maligna para a dor de cabeça, explica Friedman.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário:


Mercado farmacêutico
0
Conectando
Por favor, aguarde...
Como podemos ajudar?

Envie uma mensagem com sua dúvida, logo retornaremos para você:

* Nome
* E-mail
Telefone
* Mensagem
Atendimento on-line

Como podemos ajudar?

Estamos on-line, fique à vontade para iniciar uma conversa com a M2Farma.

* Nome
* Email
Telefone
* Mensagem
Atendimento on-line
Feedback

Help us help you better! Feel free to leave us any additional feedback.

How do you rate our support?

📬 Receba as últimas notícias sobre o varejo farmacêutico, Farmácia Popular, ANVISA, convênios PBM e mais: