Advertisements

Os desafios da implantação dos testes laboratoriais em farmácias

Sérgio Mena, CEO da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma)

Sérgio Mena – Nós temos uma discussão no Brasil, não será tão futuro, talvez seja no próximo um ou (nos próximos) dois anos, em um curto prazo, a introdução dos testes laboratoriais rápidos em farmácias.

Hoje já existe tecnologia que você pode fazer até 25 exames usando o point of care, o tipo de teste “ponta de dedo”. Ou seja, é possível fazer check-ups na população, e 70% da população nunca faz nenhum.

É possível fazer um pequeno check-up nas pessoas, uma coisa que pouco se faz no Brasil e a farmácia vai se qualificar para isso a partir da revisão da RDC 44/2009 da Anvisa, que hoje é muito limitada. Esse é um exemplo do uso da tecnologia a favor da população.

Sérgio Mena – O paciente pode visitar aquela farmácia, a cada 15 dias, faz a medição da sua glicemia, recebe instruções do farmacêutico em um ambiente muito menos tenso do que um consultório médico. Você sabe que no consultório médico tem aquela “síndrome do jaleco branco”, muita gente fica com a pressão alta quando está na frente do médico.

É a tensão de estar ali. Então você pode estar em um ambiente muito mais informal, com uma pessoa que você conheceu, que está te acompanhando, que você vai conversar a cada 15 dias. Essa pessoa vai te ajudar a manejar o medicamento, controlar o seu tratamento. Esse tipo de ação já existe em muitos outros países, como Canadá e Estados Unidos. Inclusive o farmacêutico recebe do seguro-saúde um valor de US$ 69 para, duas vezes por ano, fazer uma consulta com o paciente, ajustar os horários de uso do medicamento do paciente, esclarecer sobre a doença. Tudo isso faz parte da humanização do atendimento.

Sérgio Mena – Em 2014, a gente aprovou uma lei, a 13.021/2014, que introduziu a possibilidade das farmácias fazerem esses serviços. A gente lançou serviços, criou procedimentos, temos cerca de 2.700 farmácias nossas com essas salas que fazem esses serviços, de acompanhamento de diabetes e hipertensão, gestão de polimedicados, perda de peso, programa para parar de fumar. A gente infelizmente não oferece mais serviços, como os testes laboratoriais porque a Anvisa não avançou na regulamentação.

A resolução da Anvisa é de 2009, e nós aprovamos uma lei em 2014. Nós estamos em 2019! A Anvisa ainda não revisou a resolução que trata dos serviços (RDC 44/2009). Essa RDC é aquela que restringiu medicamentos isentos de prescrição nas gôndolas, que proibiu que as farmácias vendessem outros produtos. Depois dela, o Supremo Tribunal Federal (STF) já autorizou a venda de outros produtos em farmácias. A Anvisa revisou uma das coisas, que foi a questão das vacinas nas farmácias. Mas faltam outros avanços, como testes laboratoriais.

Fonte: Panorama Farmacêutico

Qual sua opinião? Deixe seu comentário:

Advertisements