Preço de medicamento deverá ter reajuste médio de 3,4%, projeta setor

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone

A indústria farmacêutica projeta que o governo autorizará um reajuste médio de cerca de 3,4% no preço dos medicamentos neste ano, segundo companhias do setor ouvidas pela coluna.

O aumento permitido varia de acordo com o produto.

Para aqueles com mais concorrentes no mercado, a taxa deverá ser menor, de cerca de 1,6%, e, para os mais inovadores, deverá chegar a 5%, apontam as previsões, que podem mudar a depender da inflação de fevereiro.

O reajuste, que deverá ocorrer em março, é feito anualmente pelo governo. O cálculo leva em consideração fatores como inflação, alta de custo dos insumos e ganhos de produtividade, que são parcialmente descontados.

Em 2016, a taxa máxima foi de 12,5%, variação acima da média dos anos anteriores, devido à inflação elevada e à queda de produtividade.

Com a valorização do real, houve uma desaceleração no aumento de custo de matérias-primas da indústria, o que pode contribuir para uma taxa menos elevada, afirma a sócia da PwC Eliane Kihara.

O impacto do reajuste é maior para remédios inovadores, já que, no caso de medicamentos com mais substitutos, a alta nem sempre é totalmente aplicada, diz ela.

“Há uma prática de descontos, que podem chegar a 90% no caso de genéricos. Depende da concorrência e da estratégia comercial.”

O percentual mais baixo, porém, dá menos poder de barganha para a indústria negociar os valores, avalia.

 

Fonte: Jornal Folha de São Paulo

Qual sua opinião? Deixe seu comentário:



Palavras-chave , ,
Indústria farmacêutica, Marketing Farmacêutico

Seja bem-vindo(a) ao blog da M2Farma.

Neste espaço reunimos notícias sobre assuntos regulatórios e o varejo farmacêutico.

Nosso trabalho é facilitar a burocracia técnica, saiba mais.

Siga-nos:

📫 Receba por e-mail

Receba as últimas notícias sobre varejo farmacêutico, ANVISA, Farmácia Popular e Convênios PBM direto no seu e-mail:





📬 Receba as últimas notícias sobre o varejo farmacêutico, Farmácia Popular, ANVISA, convênios PBM e mais: