Arquivo do blog

Drogaria Total planeja 550 farmácias em 2020

Drogaria Total planeja alcançar o marco de 550 farmácias em 2020

(Texto atualizado em 18/06/2020 às 04:57 pm)

A Drogaria Total, rede associativista do Grupo Total – formado por 467 farmácias tradicionais, oito Drogarias Total Popular e a Coopertotal, uma cooperativa de compras – espera até o final do ano abrir mais três unidades populares, todas localizadas no estado de São Paulo (SP), e 72 lojas tradicionais em diferentes localidades. Assim, visando totalizar 550 farmácias pelo Brasil em 2020.

Só no estado de São Paulo, o Grupo está presente em mais de 280 cidades e também conta com lojas em Minas Gerais e no Paraná. Leia mais ›


Palavras-chave , , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA





Lei define número de farmacêuticos conforme o faturamento das farmácias

Lei define número de farmacêuticos conforme o faturamento das farmácias

Pela primeira vez, foi definido em uma lei, ainda que estadual, a necessidade de um profissional farmacêutico de acordo com o faturamento do estabelecimento

A Governadora do Estado do Rio Grande do Norte (RN), Maria de Fátima Bezerra (PT), acaba de sancionar a lei estadual 10.694/20, que estabelece a contratação de um farmacêutico para cada R$ 100 mil de faturamento da farmácia. Assim, visando a eficiência e o controle na qualidade do atendimento.

O documento, divulgado em 14 de fevereiro no Diário Oficial da União (D.O.U.), dispõe sobre as ações e serviços de assistência farmacêutica executados, isolada ou conjuntamente, em caráter permanente ou eventual, por pessoas físicas ou jurídicas conforme o faturamento.

Nesse aspecto, a legislação traz um detalhe inédito, pois, pela primeira vez, foi definido em uma lei, ainda que estadual, a necessidade de um profissional farmacêutico de acordo com o faturamento do estabelecimento. Entretanto, é necessário frisar que a lei federal 13021/14 define, em seu artigo 6º, que deve haver a presença do farmacêutico durante todo o horário de funcionamento. Isso independentemente do faturamento do estabelecimento.

O ponto mais polêmico da lei 10.694/20 se dá porque muitas farmácias, principalmente as de pequeno porte, podem permanecer abertas por um período de mais de 12 horas. Assim, exigindo a presença de dois farmacêuticos (com atuação de oito horas cada, de acordo com a lei 13021/14). No entanto, seu faturamento pode ficar próximo de R$ 100 mil, exigindo apenas um profissional presente.

Em contrapartida, de acordo com a nova lei de RN, uma farmácia com um faturamento acima de R$ 100 mil também terá que ter uma quantidade equivalente de profissionais. Exemplo: no caso, um estabelecimento que fature R$ 500 mil, obrigatoriamente, teria que ter, ao menos, cinco farmacêuticos.

Número de farmacêuticos conforme o faturamento das farmácias

A nova lei estadual do RN ainda ressalta, no artigo 5º, que para o funcionamento das farmácias de qualquer natureza exigem-se a autorização e o licenciamento da autoridade competente, além apresentar condições de localização conveniente, sob o aspecto sanitário.

No artigo 6º da lei 10.694/20, o texto enfatiza que o farmacêutico e o proprietário dos estabelecimentos farmacêuticos agirão sempre solidariamente, realizando todos os esforços para promover o uso racional de medicamentos.

O artigo 7º ainda reitera que o proprietário da farmácia não poderá desautorizar ou desconsiderar as orientações técnicas emitidas pelo farmacêutico. Em um parágrafo único define: “É responsabilidade do estabelecimento [farmácia] fornecer condições adequadas ao perfeito desenvolvimento das atividades profissionais do farmacêutico”.

Por fim, a medida fala sobre as atribuições dos profissionais nas farmácias, orientando que obriga-se o farmacêutico, no exercício de suas atividades, a:

– notificar os profissionais de saúde e os órgãos sanitários competentes, bem como o laboratório industrial, dos efeitos colaterais, das reações adversas, das intoxicações, voluntárias ou não, e da farmacodependência observados e registrados na prática da farmacovigilância;

– organizar e manter cadastro atualizado com dados técnico-científicos das drogas, fármacos e medicamentos disponíveis na farmácia;

– prestar orientação farmacêutica, com vistas a esclarecer ao paciente a relação benefício e risco, a conservação e a utilização de fármacos e medicamentos inerentes à terapia, bem como as suas interações medicamentosas e a importância do seu correto manuseio; e

– art. 10. Cabe ao farmacêutico, na dispensação de medicamentos, visando a garantir a eficácia e a segurança da terapêutica prescrita, observar os aspectos técnicos e legais do receituário.

Confira o documento da lei aqui.

Foto: Shutterstock Fonte: ICTQ


Palavras-chave , , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, Legislação e regulamentações





Testes rápidos de Covid-19 em farmácias podem trazer riscos

Febrafar está atendendo home office

(Texto atualizado em 27/05/2020 às 03:08 pm)

A aprovação pela ANVISA da aplicação de testes rápidos para a detecção do novo coronavírus (Covid-19) em farmácias e drogarias, essa pode ser uma alternativa nova para as pessoas, contudo, precisa ser feito de formar muito planejada pelas farmácias, para não tornar o ambiente em um local de risco de contaminação.

Segundo o presidente da Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácias (Febrafar) Edison Tamascia é preciso um cuidado muito grande para as farmácias que realizam esse teste, com ambiente reservado para isso e todo um procedimento na hora da realização, não colocando em risco de contaminação as demais pessoas que frequentam esses estabelecimentos e os profissionais das farmácias.

Veja nota divulgada pela Federação sobre testes de COVID-19:

“A Febrafar vem a público informar que é favorável a toda ação que vise a saúde da população e que amplie o acesso dos consumidores a produtos que possam auxiliar neste objetivo. Contudo, também temos uma preocupação muito grande com a preservação da saúde dos profissionais das farmácias associadas e de todos os consumidores que circulam em nossos estabelecimentos farmacêuticos.

A aplicação dos testes rápidos para detecção do COVID-19 é um procedimento que exige das farmácias e dos profissionais envolvidos um cuidado muito grande. Para garantir a segurança na aplicação do teste é preciso a utilização de equipamentos de proteção individual (EPI’s) específicos – avental, óculos de proteção, touca, luvas descartáveis e máscara cirúrgica – esses produtos são de uso hospitalar e estão escassos no mercado no momento.

Outros pontos relevante são que a aplicação pode estimular uma maior circulação de pessoas com alta probabilidade de contaminação nos estabelecimentos e que haverá a necessidade da desinfecção e higienização específica no ambiente de teste, sempre que ocorrer um novo atendimento. Além do teste ter que ser realizado em um local apropriado e isolado conforme a determinação da RDC.

Por fim, muitas das lojas associadas estão se esforçando para manter-se ativas e operantes mesmo com redução da equipe de atendimento, por necessidades específicas do período (como é o caso de funcionários em grupos de riscos) e o novo procedimento exigiria manter profissionais direcionados exclusivamente para esses serviços.

Assim, diante deste cenário, nossa recomendação a priori é que as farmácias e drogarias de nossas redes associadas evitem a realização dos testes se não puderem assegurar a garantia absoluta de segurança para profissionais e consumidores.

Reiteramos que nossa preocupação é com a saúde da população como um todo e faremos o possível para auxiliar o país no enfrentamento dessa pandemia.

Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácias (Febrafar).”


Palavras-chave , , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA





Brasileiro gastou R$ 121 bi nas farmácias em 2019

Brasileiro gastou R$ 121 bi nas farmácias em 2019

Em 2019 os brasileiros gastaram R$ 121 bilhões nas farmácias. Desse total, R$ 84 bi foi com medicamentos. O restante foram produtos para higiene pessoal, bem-estar, cosméticos e demais produtos vendidos nas chamadas “drugstore”. Com esse volume de vendas no ano passado, o faturamento das farmácias cresceu 7,6% em relação à 2018.

Os dados são do Estudo de Mercado Institucional da IQVIA, analisados pela Federação Brasileira das Redes Associativistas e Independentes de Farmácias (Febrafar). A estimativa para 2020 é de que o crescimento seja de 10% sobre 2019. Ainda de acordo com o levantamento, 30% dos medicamentos vendidos são aqueles que não precisam de prescrição médica.

Na opinião do presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado de Pernambuco (Sincofarma-PE), Oséas Gomes, o setor de farmácias tem crescido por causa da incapacidade dos governos em oferecer saúde à população. “O que mais se vê são pessoas em busca de medicamentos nas farmácias públicas. Se elas não encontram precisam comprar. É uma questão de vida ou morte. Enquanto os governos não oferecerem saúde de qualidade, o setor irá crescer”, analisa Gomes. Leia mais ›


Palavras-chave , , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica, ANVISA





Vedado credenciamento de farmácias para a distribuição de medicamentos

Vedado credenciamento de farmácias para a distribuição de medicamentos – O Presente

(Texto atualizado em 18/12/2019 às 04:55 pm)

Não é viável o credenciamento de farmácias particulares para fornecimento à população de medicamentos que não são distribuídos diretamente na farmácia básica municipal, por meio de inexigibilidade de licitação, pois não estão presentes os requisitos da inviabilidade de competição e da não existência de interesses excludentes entre os possíveis contratantes.

Para a aquisição desses medicamentos, que não podem ser mantidos em estoque, o recomendável é a utilização do Sistema de Registro de Preços, por meio da modalidade pregão. Assim, é possível o registro de preços de diversos itens por meio de uma única licitação, para aquisição futura e entrega parcelada, resultando na melhor contratação para a administração pública.

Essa é a orientação do Pleno do TCE-PR, em resposta a Consulta formulada pelo prefeito do Município de Engenheiro Beltrão (Noroeste), Rogério Rigueti Gomes, na qual questionou se seria legal a realização de processo de inexigibilidade de licitação para o credenciamento de farmácias para fornecimento à população de medicamentos que não são distribuídos diretamente na farmácia básica municipal.

Os pareceres da Procuradoria-Geral do Município e da Coordenadoria de Fiscalização de Transferências e Contratos (Cofit) do TCE-PR opinaram pela possibilidade de contratação direta de farmácias, por meio de credenciamento, para fornecimento de medicamentos não disponíveis em farmácia básica.

O Ministério Público de Contas (MPC-PR) posicionou-se pela impossibilidade de cadastramento de farmácias para distribuição à população de medicamentos suplementares aos da farmácia básica municipal, pois essa modalidade não está entre as hipóteses de contratação direta previstas na legislação. O órgão ministerial indicou como alternativa juridicamente viável à solução do problema a realização de registro de preços, com exceção das hipóteses de aquisição direta emergencial.

Decisão

O relator do processo, conselheiro Ivens Linhares, afirmou que o credenciamento é o procedimento por meio do qual o poder público pré-qualifica todos os interessados a contratar que preencham determinados requisitos do chamamento; e somente pode ser adotado em situações restritas.

Linhares lembrou que, por se tratar de hipótese excepcional de contratação direta por inexigibilidade de licitação – artigo 25 da Lei nº 8.666/93 (Lei de Licitações e Contratos) –, o credenciamento somente pode ocorrer quando não houver possibilidade de competição e para a aquisição de bem ou serviço não seja fornecido exclusivamente por um dos interessados.

O conselheiro destacou que o Tribunal de Contas da União (TCU) tem admitido o credenciamento apenas para a contratação de serviços específicos, como os médico-assistenciais (serviços complementares), os jurídicos comuns (advocacia de massa), os bancários e os de treinamento (cursos de aperfeiçoamento).

O relator ressaltou, ainda, que não existe a possibilidade jurídica de distribuição de medicamentos pelos municípios que não seja submetida à assistência farmacêutica do Serviço Único de Saúde (SUS). Ele afirmou que a necessidade de planejamento prévio para a inclusão de medicamentos em lista suplementar municipal afasta uma suposta imprevisibilidade, que caracterizaria a inviabilidade de competição, o que é essencial à utilização do credenciamento.

Linhares concluiu que é recomendável, em contextos nos quais haja um mercado competitivo, que as compras de medicamentos sejam operacionalizadas por meio do Sistema de Registro de Preços, procedimento que facilita o planejamento dos gastos e dos estoques.

 

Fonte: O Presente


Palavras-chave , , , , , , ,
Mercado farmacêutico





Farmácias Nissei anuncia novas lojas e abre vagas

(Texto atualizado em 08/05/2019 às 02:30 pm)

Maringá e Pioneiros receberam novas unidades, reforçando a força da rede no Paraná. A Rede de Farmácias Nissei, oitava maior player do setor no Brasil, inaugurou a 14ª unidade no Maringá, no Jardim Aclamação (PR). Localizada na Av. Senador Petrônio Portela, nº 780, a farmácia possui 310 metros quadrados. A Rede também anunciou a quarta unidade em Fazenda Rio Grande, no Pioneiros (PR). Localizada na Av. Cesar Carelli, nº 64, a farmácia possui mais de 300 metros quadrados. As novas unidades, construídas no novo modelo da marca, que valoriza a experiência de compra do consumidor, atuarão com o conceito de drugstore, contando com um portfólio completo de medicamentos, produtos de higiene e beleza, perfumaria e conveniência.

Ações diferenciadas

A Rede de Farmácias Nissei conta com o programa Clube da Melhor Idade, na qual aposentados, pensionistas e público com mais de 55 anos têm benefícios que vão desde descontos exclusivos, até a promoção de atividades sociais com foco na saúde e bem-estar. “Esse é um projeto de mais de 20 anos que tem o intuito de retribuir a preferência desse público pela marca Nissei. Hoje, o Clube já conta com mais de 500 mil associados ativos que frequentam mensalmente as lojas”, revela o diretor executivo da Rede Nissei, Alexandre Maeoka.

A Rede possui também oferece os Serviços Avançados Nissei (SAN) – extensivo a todos os clientes -, e que proporciona exames laboratoriais, controle de diabetes, colesterol, peso, hipertensão, revisão da medicação e também o programa de auxílio para dependentes do tabagismo. Segundo Maeoka, da Rede de Farmácias Nissei, esse é um projeto novo, criado para ampliar a comodidade ao cliente, além de retomar o papel do farmacêutico na difusão de importantes informações ao paciente. Leia mais ›


Palavras-chave , , , , , ,
Carreiras e oportunidades





Raia Drogasil compra Onofre da CVS

A rede de farmácias Raia Drogasil anunciou na terça-feira dia 26/02/19 a compra da rede Onofre, controlada antes pela gigante americana do varejo farmacêutico CVS Health.

A Onofre tem hoje 50 lojas, 47 delas no estado de São Paulo, além de duas no Rio de Janeiro e uma em Minas Gerais, segundo comunicado da Raia Drigasil. Em 2018, atingiu receita bruta de R$ 479,4 milhões. A CVS adquiriu o controle da rede Onofre em 2013, quando o varejo farmacêutico brasileiro passava por um momento de consolidação. Nos anos anteriores, o setor havia registrado fusões relevantes —entre Droga Raia e Drogasil, em agosto de 2011, e entre Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo, semanas depois. A Raia Drogasil encerrou o ano de 2018 com 1.825 lojas em operação, uma participação de mercado de 12,9% no país e receita bruta de R$ 15,5 bilhões, segundo sua divulgação de resultados financeiros.

No comunicado desta terça-feira, a Raia Drogasil destacou a importância da Onofre para o comércio online. A  peração ainda precisa passar pela aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Leia mais ›


Palavras-chave , , , , , , ,
Mercado farmacêutico





Novo cálculo do ICMS pode reduzir preço de medicamentos no Paraná

icms medicamento parana

(Texto atualizado em 28/01/2019 às 02:58 pm)

O governador Beto Richa assinou nesta terça-feira (20), em Curitiba, o decreto que altera a definição da base de cálculo para cobrança do ICMS no regime da substituição tributária de medicamentos comercializados por fabricantes, distribuidores e varejistas. A Presidente do Conselho Regional de Farmácia do Estado do Paraná – CRF-PR, Dra Mirian Ramos Fiorentin, participou deste importante momento que vai gerar economia ao setor farmacêutico, sobretudo as mias de 3.400 farmácias que são de propriedade de farmacêuticos.

A mudança será feita devido à necessidade de padronização nacional do tratamento tributário dado ao segmento e para atender pedido das empresas que atuam no Estado.
Leia mais ›


Palavras-chave , ,
Mercado farmacêutico





Linha do Tempo da ANVISA: Drogarias e Farmácias

(Texto atualizado em 14/02/2019 às 11:38 am)

Este será o espaço onde reuniremos informações sobre a legislação da ANVISA, em forma de uma timeline, trazendo em ordem cronológica as publicações, RDCs e portarias da ANVISA relevantes e importantes para o varejo farma.

Linha do tempo do cenário regulatório, ANVISA e CRF no Brasil:

  • 1953
    • Criação do Ministério da Saúde do Brasil (25/07/53)
  • 1960
    • Criação do Conselho Federal de Farmácia e CRFs (Lei  3.820)
  • 1998
    • Portaria 344/98 – Regulamenta as substancias sujeitas a controle especial (12/05/98)
  • 1999
    • Criação da ANVISA ( 26/01/99 )
    • Surgimento dos Genéricos (10/02/99)
  •  2004
    •  Criação do programa Farmácia Popular (13/04/04)

Leia mais ›


Palavras-chave , , , , , , ,
Legislação e regulamentações, ANVISA





Rede CVS é autorizada a fundir operação de farmácias com plano de saúde

(Texto atualizado em 04/12/2018 às 12:52 pm)

A CVS Health, uma das maiores redes de farmácias do mundo, consolidou sua fusão com a empresa de planos de saúde Aetna, nos Estados Unidos. A fusão movimenta 69 bilhões de dólares e foi aprovada pela justiça americana com algumas condições.

Para que se una à rede de farmácias, a Aetna será obrigada a abrir mão da parceria que tem com o governo americano para fornecer medicamentos ao Medicare, gerido pelo estado.

A CVS é a última grande varejista de medicamentos dos Estados Unidos a firmar acordo com planos de saúde. Em setembro, o Departamento de Justiça americano aprovou a fusão entre a seguradora Cigna e uma das maiores concorrentes da CVS, a Express Scripts.

O The New York Times destacou que a onda de fusões entre seguradoras e varejistas de medicamentos pode significar uma melhora no atendimento e reduzir o custo para as empresas. Por outro lado, há críticas relacionadas a um possível aumento no preço dos remédios com a concentração do mercado (e dos dados captados pelas empresas) na mão de poucos players. Leia mais ›


Palavras-chave , , , , , , , , ,
Mercado farmacêutico





Farmácias estão entre as marcas mais valiosas do Brasil

(Texto atualizado em 12/11/2018 às 09:43 am)

Juntas, Drogasil e Droga Raia somam US$ 1.376 bilhões. Marcas de drogarias como Drogasil e Droga Raia; e Amil, OdontoPrev e Fleury, de cuidados com a saúde, estão entre as 60 marcas mais valiosas do País, conforme revela o ranking BrandZ Brasil, elaborado pela Kantar. Todas elas tiveram um crescimento no ranking, se comparado a 2017.

A Drogasil, que obteve uma alta de 21%, soma este ano o valor de US$ 757 bilhões, aparecendo em 22ª lugar no ranking das marcas mais valiosas. No mesmo segmento, a Droga Raia cresceu US$ 589 bilhões, atingindo 20% de aumento em 29º lugar. “As marcas Drogasil e Droga Raia têm tido um crescimento sustentável nos últimos anos, por conta de sua sustentável expansão geográfica, mas também no conceito de lojas, conseguindo oferecer uma gama variada de produtos em um excelente padrão de serviços”, analisa o CEO da Kantar Consulting para América Latina, Eduardo Tomiya.

Leia mais ›


Palavras-chave , , ,
Mercado farmacêutico, Marketing Farmacêutico





Os melhores sistemas para farmácia ou drogaria

(Texto atualizado em 11/01/2018 às 03:50 pm)

A função principal do sistema em uma farmácia ou drogaria é registrar as vendas, controlar o que foi vendido e arrecadado o fluxo de caixa e também de estoque. Sabemos que administrar uma farmácia vai muito além disso. Para atender um público cada vez mais exigente os processos aumentaram.

Os sistemas de gestão também evoluíram, oferecendo um detalhismo maior de controle da empresa em geral, funcionando como um espelho que registra tudo que acontece. Controle traz maior assertividade na tomada de decisões. O mercado oferece muitas opções de sistemas e a escolha entre as diferentes alternativas deve ser realizada levando-se em considerações aspectos importantes: Leia mais ›


Palavras-chave , , ,
Marketing Farmacêutico





Farmácias em Águas Lindas/GO são interditadas

Agentes da Anvisa encontraram diversos produtos irregulares que foram apreendidos e cerca de seis estabelecimentos foram interditados por medida cautelar.

Nove drogarias foram alvo da operação. A fiscalização se deu após a identificação de estabelecimentos pela VISA – GO, no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), onde foram verificadas situações suspeitas no que diz respeito às transações envolvendo medicamentos antimicrobianos e sujeitos ao controle especial. Leia mais ›


Palavras-chave , ,
ANVISA





CVS lança máquinas de autoatendimento para venda de produtos

A CVS Pharmacy, em uma fusão entre conveniência e modernização, iniciou na primeira semana de setembro a implementação de máquinas de autoatendimento em áreas públicas e de grande circulação nos Estados Unidos. Os dispositivos contêm um amplo mix de remédios paliativos, produtos de higiene pessoal e os indispensávis snacks. Leia mais ›


Palavras-chave , ,
Marketing Farmacêutico





Nova resolução em análise pela Anvisa deve liberar aplicação de vacinas em farmácias

Proposta já passou por uma consulta pública e está em etapa final do processo de regulamentação. Hoje, só clínicas de vacinação podem oferecer o serviço fora do SUS.

Uma nova resolução que trata dos requisitos mínimos para serviços de vacinação no país está em fase de análise pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e, caso seja aprovada, permitirá que farmácias apliquem vacinas. Atualmente, somente clínicas de vacinação, que têm um médico como responsável técnico, estão autorizadas a oferecer o serviço fora do sistema público de saúde. Leia mais ›


Palavras-chave , ,
Mercado farmacêutico, Legislação e regulamentações





Aumento da receita de farmácias perde ritmo, mas cresce 9% no 1° tri

A receita das grandes redes de farmácias cresceu 9,26% no primeiro trimestre deste ano. A taxa desacelerou em relação ao ano passado, segundo a Abrafarma, que representa empresas como Droga Raia e Drogaria São Paulo.

Os itens de higiene e beleza são os principais responsáveis pelo menor ritmo de expansão: houve uma queda de 5,7% das unidades vendidas no acumulado dos últimos dois anos, até março.

No primeiro trimestre de 2017, a receita com o segmento cresceu 3,7% -bastante abaixo das taxas de dois dígitos de um ano atrás. Leia mais ›


Palavras-chave , , ,
Mercado farmacêutico, Marketing Farmacêutico





Pátria adquire pequena rede de farmácias em Pernambuco

O fundo de private equity Pátria Investimentos adquiriu a rede de farmácias Independente, que tem 24 unidades espalhadas na Grande Recife. Embora considerada pequena, a aquisição faz parte de uma estratégia de consolidação na capital pernambucana, onde o fundo já tem presença neste segmento. Leia mais ›


Palavras-chave , , , ,
Mercado farmacêutico, Indústria farmacêutica





Uruguai dá início a registro para venda legal de maconha em farmácias do país

Quase quatro anos depois de aprovada pelo Congresso, a chamada Lei da Maconha finalmente entrará em vigor em sua totalidade no Uruguai a partir desta terça-feira (2).

Medida que projetou o ex-presidente José “Pepe” Mujica ao estrelato, ao sugerir que legalizar drogas poderia ser mais eficiente do que reprimir o tráfico, a legislação havia sido implementada em parte. Leia mais ›


Palavras-chave , , , , ,
Mercado farmacêutico





Consulta discute regra para farmácia fazer vacinação

As regras para o funcionamento dos serviços de vacinação estão em discussão pela Anvisa. O principal motivo é adequar as normas atuais para que as farmácias também apliquem vacinas com o mesmo controle e segurança que já é adotado nos serviços tradicionais de vacinação.

A previsão deste tipo de serviço foi criada pela Lei 13.021/2014. Porém, a norma atual não se aplica de forma clara para as farmácias e drogarias. Esses locais não têm um histórico de armazenamento e aplicação, por isso, precisam fazer adequações caso queiram oferecer o serviço. Leia mais ›


Palavras-chave , , , ,
Mercado farmacêutico, Legislação e regulamentações, ANVISA





Ministério da Saúde: Farmácias são autorizadas a oferecer vacinas

O Ministério de Saúde (MS) aprovou (05/05/2017) uma norma que regulamenta a venda e aplicação de vacinas em farmácias. A medida ocorre após 70% do território nacional se tornar área de risco às doenças como febre amarela e dengue.

A nova lei autoriza o serviço para prevenção também de outras doenças, como tétano, difteria, sarampo, rubéola, caxumba, poliomelite, hepatite a, hepatite b, varicela, gripe e HPV. Para isso, os estabelecimentos deverão estar licenciados pela Vigilância Sanitária local. Leia mais ›


Palavras-chave , , , ,
Mercado farmacêutico, Legislação e regulamentações





Seja bem-vindo(a) ao blog da M2Farma.

Neste espaço reunimos notícias sobre assuntos regulatórios e o varejo farmacêutico.

Nosso trabalho é facilitar a burocracia técnica, saiba mais.

Siga-nos:

📫 Receba por e-mail

Receba as últimas notícias sobre varejo farmacêutico, ANVISA, Farmácia Popular e Convênios PBM direto no seu e-mail:





Do NOT follow this link or you will be banned from the site!

📬 Receba as últimas notícias sobre o varejo farmacêutico, Farmácia Popular, ANVISA, convênios PBM e mais: